WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

academia vip

fevereiro 2016
D S T Q Q S S
« jan   mar »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
2829  


:: fev/2016

No PA, MPF recomenda transferência de escola indígena por racismo

Santarem-encontro-das-aguas

Recomendação foi enviada à Prefeitura de Santarém.

Município tem prazo de 20 dias para apresentar resposta.O Ministério Público Federal (MPF) notificou a Prefeitura de Santarém oeste do Pará, para que  o município faça o desligamento de uma escola indígena que está em uma unidade de ensino, onde  há provas de desrespeito aos direitos dos índios. Segundo o MPF, caso a prefeitura descumprir a notificação no período de seis meses, o caso será encaminhado à justiça.

A recomendação foi enviada à Prefeitura, para ser entregue à Secretaria Municipal de Educação (Semed). A Secretaria terá um prazo de 20 dias para apresentar uma resposta.

A escola municipal Nossa Senhora de Assunção atende indígenas Arapium da aldeia Vila Franca, localizada em uma área ribeirinha, as margens do rio Tapajós. Na área vivem indígenas e não indígenas. Os não indígenas discordam do autorreconhecimento dos Arapium como índios.  Segundo o MPF, a intolerância dos não índios vem gerando conflitos com os indígenas e apesar de a prefeitura reconhecer a existência do conflito e a escola estar registrada como indígena, o município não tem adotado medidas para conter a tensão no ambiente escolar.

:: LEIA MAIS »

No embalo da rede: hábito de origem indígena é alvo de estudos no Brasil e no exterior

Inspire-se-destacar-decoracao-casa-sitio_ACRIMA20160226_0024_15

Dormir na rede pode melhorar dores na coluna e proporcionar um sono melhor? Confira tudo o que você precisa saber sobre um hábito tão amazônico

Qual foi a última vez que você pensou em dar um cochilo na rede? Afinal, amazonense bem sabe como o embalo tranquiliza e ajuda a relaxar, seja no quarto, na varanda ou a bordo de um barco a caminho do interior.

Herança indígena, a rede também pode ser benéfica para quem sofre com dores nas costas depois de anos dormindo em cama – é o que garante um estudo realizado pelo setor de ortopedia Universidade do Estado do Pará (Uepa).

Segundo a pesquisa, realizada com donas de casa de Belém com idade entre 30 e 60 anos, as pacientes que sentiam dores e sofriam com lombalgia apontaram melhoras significativas quando passaram a dormir em rede.

Porém, a fisioterapeuta Rhanda Amim, especialista em coluna há 13 anos, não acredita que essa seja uma boa recomendação.

Com braço quebrado, indígena de 12 anos espera atendimento há 3 meses

300x225-3a7375f16ee7feb4ca29e17a993fd7a0

Garoto quebrou o antebraço direito em novembro de 2015 e até agora não foi levado ao Hospital em Aquidauana (Foto: Direto das Ruas)

om o antebraço direito quebrado, um garoto indígena de 12 anos espera há três meses por atendimento. O menino, da etnia Kadiwéu, vive na Aldeia Alves de Barros, em Bodoquena, a 270 quilômetros de Campo Grande. Ele conseguiu vaga no Hospital de Aquidauana, mas o transporte depende de um departamento especial de saúde indígena. informação que a família recebeu é de que uma equipe foi buscar o garoto, mas ele não estava lá, três dias depois da queda, no dia 16 de novembro. Ocorre que a família afirma não ter saído da comunidade e não ter visto nenhum veículo da Sesai (Secretária Especial de saúde Indígena) por lá, naqueles dias. Com o tempo. o osso do antebraço do garoto está calcificando torto e ele conta apenas com medicação oferecida pelo posto da aldeia.

:: LEIA MAIS »

MPF quer anular multa de R$ 3 milhões contra índio que vendia artesanato

26fev2016---peca-de-artesanato-tipica-dos-indios-brasileiros-wai-wai-pertencente-ao-peabody-museum-da-universidade-de-harvard-eua-1456531516196_615x300

  • Adorno para cabeça com penas, um dos exemplares do artesanato típico dos Wai Wai

O Ministério Público Federal no Pará se posicionou a favor da anulação de multa milionária aplicada pelo Ibama a um índio Wai Wai. Em valores atualizados, a multa original, de R$ 1,485 milhão, aplicada em 2009, chega perto de R$ 3 milhões.

Segundo o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis), a autuação do índio Timoteo Taytasi Wai Wai foi motivada pela apreensão, em 25 de junho de 2009, de 132 peças de artesanato de subprodutos da fauna silvestre (penas de papagaio) destinadas ao comércio, durante a festa do boi de Parintins, no Amazonas.

:: LEIA MAIS »

Os índios e o céu: as bases da mitologia indígena brasileira

Conhecer o céu, o movimento dos astros, o caminho do sol, a fase da lua, o brilho das estrelas e, especialmente, os desenhos que as estrelas fazem no céu noturno, as constelações – todas as sociedades humanas, em todas as épocas, se socorreram deste conhecimento, a astrologia, e suas interpretações e correlações, para entenderem melhor o mundo em que vivemos. Mas não só!Os nossos ancestrais sempre olharam as estrelas, como em uma busca por orientação superior, mitológica. Seria crença? Não, não era crença apesar de, aos que não conhecem a ciência das correlações, esta parecer ser a verdade. É sim uma forma de identificar fatores cíclicos, como o passar das estações, a posição do barco no oceano, a chegada das grandes chuvas, ou da seca com sua nuvem de poeira, e até as revoadas de gafanhotos que comiam, e ainda comem, em alguns lugares da terra, tudo o que é verde.

A busca por explicações é o que move a ciência, o conhecimento. E, entender aquilo que é inexplicável aos olhos de muitos é o que move a criação de mitos.

:: LEIA MAIS »

Educação indígena tem espaço garantido no debate na I Jornada Pedagógica Internacional

“Educação indígena: concepções e práticas” foi o tema de debate da mesa redonda que reuniu o professor da Escola Indígena Aramirã, em Pedra Branca do Amapari, Evilázio Pereira, a professora Ivone Nunes Guidão (da Secretaria de Estado da Educação – Seed) e o professor doutor e presidente do Sindicato Municipal de Educação, Waldiney Lopes, na I Jornada Pedagógica Internacional. Eles fizeram uma reflexão sobre a situação atual dos povos indígenas do Amapá e enfocaram a aplicabilidade da Lei 11.645, que determina que no currículo de educação básica de todo o Brasil deve ser veiculado o conhecimento sobre a história e a cultura afro-brasileira e indígena.
:: LEIA MAIS »

Mestrado em Educação titula primeiro indígena

10010_0_gr

Martinho, que pertence à etnia Xavante, desenvolveu o trabalho “Educação Indígena procurando dialogar com a Educação Escolar Indígena: Rob’uiwedze e niha te rob’uiwe”

O trabalho de Martinho Tsawewa foi desenvolvido na Aldeia Sangradouro, no município de General Carneiro (442 km ao leste de Cuiabá), onde ele levantou informações sobre história, educação, prática cultural e diversidade étnica. Ele ainda considerou em seu estudo elementos como observação participante, entrevistas, visitação nas aldeias, histórias de vida, notas de campo e pesquisa bibliográfica.

De acordo com o pesquisador, seu trabalho além de mostrar que o respeito aos valores pedagógicos, sociais, culturais, administrativos e econômicos dos povos indígenas é que formam uma Educação Escolar Indígena autêntica, também mostra que o equilíbrio para a organização social dos indígenas no território nacional está ligado a unificação da Educação não Indígena com a Educação Escolar Indígena. :: LEIA MAIS »

Indígenas protestam por demarcação de terras e fortalecimento da Funai

1002488-df_24022016-dsc_9892

Indígenas protestam contra a PEC 215 e pelo fortalecimento da Funai na Praça dos Três Poderes

Lideranças dos povos Pataxó e Tupinambá do extremo sul da Bahia fizeram um protesto hoje (24) na Praça dos Três Poderes para chamar a atenção para problemas ligados à demarcação de terras indígenas.

“Estamos aqui reivindicando principalmente questões territoriais da nossa aldeia”, disse a cacique Cátia Tupinambá, uma das cerca de 50 indígenas que participaram da manifestação. Segundo a líder, a questão territorial vem preocupando as populações indígenas. “A paralisação nas demarcações das terras indígenas é uma das nossas principais preocupações.”

No protesto, os indígenas reforçaram posição contrária à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 215, que tira do Poder Executivo a prerrogativa de decidir sobre a demarcação de terras indígenas e remanescentes de quilombos. Pela proposta, caberá ao Congresso Nacional a palavra final nos processos.

 

:: LEIA MAIS »

Mostra de Cinema Indígena e 5ª Edição da ARTEXPO são destaques em Cultura

IMAGEM_NOTICIA_5

O Cine Kurumin, Mostra de Cinema Indígena, que chega à sua 5ª edição este ano, terá parte da programação no Palacete das Artes, em Salvador, de 4 a 6 de março. O evento, que conta com exibição de filmes e realização de oficinas de produção experimental de curtas em aldeias indígenas – este ano nas Kiriri e Tumbalalá -, acontece pela primeira vez na capital baiana. O Palacete das Artes exibirá 17 produções com temática indígena, entre documentários e ficção, além de promover rodas de conversa sobre “Perspectivas do cinema indígena” e “Territórios: a busca da terra sem males” :: LEIA MAIS »

Arqueiro indígena amazonense será condutor da Tocha Olímpica no Brasil

114478_697x437_crop_56ce18f733c6e

O arqueiro indígena Gustavo dos Santos foi selecionado para ser um dos condutores da Tocha Olímpica no Brasil. O anúncio foi feito nesta quarta-feira (24) pela Coca-Cola Brasil, patrocinadora dos jogos olímpicos, em evento no Rio de Janeiro. O atleta da etnia Karapanã é apoiado pelo Projeto Arquearia Indígena do Amazonas, da Fundação Amazonas Sustentável (FAS), e conta com patrocínio das Lojas Bemol e Fogás, por Meio da Lei de Incentivo ao Esporte, e do Banco Bradesco.

Ao todo, 2.400 pessoas terão a oportunidade de conduzir o ícone Olímpico a convite da Coca-Cola. Nesta quarta, cinco condutores foram apresentados. Formam o time a ex-ginasta Laís Souza, a jogadora de vôlei e bicampeã Olímpica Fabiana, o jovem arqueiro indígena Gustavo dos Santos, o cantor Di Ferrero e o youtuber Lucas Rangel. Os condutores foram escolhidos através do conceito Isso É Ouro, criado para a campanha nacional de seleção da Coca-Cola, que recebeu mais de 17.000 inscritos em três meses. Segundo a marca, foram selecionados atletas, artistas, jovens e pessoas com histórias inspiradoras.
:: LEIA MAIS »



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia