WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia



fevereiro 2016
D S T Q Q S S
« jan   mar »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
2829  


:: fev/2016

Energia limpa em terras indígenas

imagem_materia

O senador Telmário Mota (PDT-RR) comemorou a decisão do Ministério de Minas e Energia de apoiar projeto de geração de energia eólica, solar e térmica na comunidade indígena de Maturuca, no município de Uiramutã, em Roraima.

De acordo com o senador, a iniciativa não teria saído do papel se os integrantes da comunidade de Maturuca e Pedra Branca não tivessem apoiando a iniciativa. Ele lembrou que as comunidades indígenas, normalmente, são contrárias a esse tipo de medida por acreditarem que gera prejuízos aos índios.

Segundo Telmário, o projeto nasceu de uma parceria do Instituto Socioambiental (ISA) e da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e será importante para Roraima, que passa por um período de crise energética.

— E nós vamos ter pioneiramente a primeira energia eólica, solar na Região Norte e a primeira em comunidades indígenas. Com isso, nós estamos abrindo uma porteira imensa.

Canteiro de obras de Belo Monte está bloqueado por indígenas

24-11-2015 - Brasília - Índios do Xingu fazem protesto durante coletiva da presidenta do Ibama, Marilene Ramos, sobre o enchimento do reservatório da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
Índios do Xingu fazem protesto durante coletiva da presidenta do Ibama, Marilene Ramos.
Cerca de 60 mulheres da etnia Juruna estão impedindo o acesso ao canteiro de obras Pimental, principal barragem da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará.
Os indígenas pedem indenização por não terem sido avisados sobre o enchimento do reservatório da usina.
Saiba mais na reportagem disponível no player acima.
Confira ainda, no Repórter Amazônia desta quinta-feira (18): Justiça determina bloqueio de bens da Companhia Docas e dos donos do Navio Haidar que naufragou no Porto de Vila do Conde; mobilização contra ao Aedes Aegypti chega as escolas do país. E ainda, 18 mil agricultores vão fornecer alimentação para escolas do acre.

No Amazonas, 20% dos indígenas desistem de estudar

INDIGENA_-Marcio-Melo

O antropólogo destacou que há quase 30 mil alunos indígenas na educação básica. Por ano, no ensino médio, apenas 500 alunos conseguem se formar – foto: Marcio Melo

Sem escolas, livros didáticos, material escolar e transporte, 20% dos estudantes indígenas do Amazonas desistem de concluir os ensinos fundamental e médio na rede pública, por ano, informou o presidente do Fórum de Educação Escolar Indígena do Amazonas (Foreeia), Gersem Baniwa, durante a abertura da 1ª Marcha pela Educação Indígena no Amazonas, cuja abertura ocorreu ontem, no parque municipal do Mindu, no bairro Parque 10 de Novembro, Zona Centro-Sul.

“A nossa maior dificuldade é a falta de infraestrutura. Não temos prédios que sirvam de escola ou com condições para abrigar os alunos. Ao menos dois terços das escolas indígenas não funcionam em prédios, os estudantes têm aula no chão, debaixo de árvores ou qualquer outro lugar improvisado”, disse Baniwa, que é doutor em antropologia e professor da Universidade Federal do Amazonas (Ufam). “No Amazonas, temos mil escolas indígenas, mas nem todas com estrutura. O Estado tem um cenário considerado um dos piores do Brasil em termos de educação indígena”, salientou. :: LEIA MAIS »

Canadá investigará desaparecimento de 4 mil mulheres indígenas desde 1980

canada-00000002

Canadá investigará desaparecimento de 4 mil mulheres indígenas desde 1980 (Foto: BBC

Estimativas recentes do governo canadense superam – e muito – previsões anteriores do número de mulheres indígenas desaparecidas ou assassinadas no país.

Inicialmente, o cálculo era de 1,2 mil casos, mas novas projeções alcançam os 4 mil.

Segundo a ministra dos Direitos das Mulheres, Patty Hajdu, não é possível precisar os números porque faltam dados mais concretos.

De acordo com uma pesquisa feita pela Native Women’s Association of Canada (Associação de Mulheres Indígenas do Canadá, em tradução livre) e citada por Hadju nesta nova estimativa, o número mais realista é o de 4 mil casos.

Um inquérito nacional deve ser instaurado em breve para apurar o tema, afirmaram Hajdu e a ministra para Assuntos Indígenas, Carolyn Bennett, às sobreviventes e seus parentes. :: LEIA MAIS »

Presidente do regional NE 5 denuncia situação de indígenas

REUTERS587583_Articolo

São Luis (RV) – O arcebispo de São Luís (MA) e Presidente do regional Nordeste 5 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Dom José Belisário da Silva, emitiu uma nota a respeito do povo indígena Gamela, no município de Viana (MA). Segundo o texto, a população enfrenta, há décadas, uma situação de “luta contra a invasão de seu território e, por isso, tem sofrido constantes ameaças, inclusive de mortes”.  Eu ouvi o clamor do meu povo (cf. Ex 3, 9) :: LEIA MAIS »

Indígenas fazem manifestação e firmam acordo com a Sepror para produção agrícola

indígenas-1-625x352

A comissão de lideranças indígenas foi recebida na Seduc – foto: Michelle Freitas

Ao menos 300 indígenas, juntamente com uma comissão,  firmaram um acordo com a Secretaria de Produção Rural (Sepror), após muita pressão, para criar uma política especifica para a produção de alimentos para indígenas.  Os índios foram à secretaria em caminhada, na manhã dessa quinta-feira (18), em manifestação no segundo dia do Fórum de Educação Escolar Indígena do Amazonas (Foreeia), que ocorre em Manaus. O grupo ocupou também a Secretaria de Estado da Educação (Seduc), mas não obtiveram resposta às reivindicações, que dominam a pauta do Fórum. :: LEIA MAIS »

Após ato, Seduc atende reivindicações de grupo de indígenas em Manaus

img_9552

Secretário Rossieli Soares se reuniu com indígenas nesta tarde, em Manaus (Foto: Divulgação/ Seduc)

Após o ato de ocupação da sede da Secretaria de Estado de Educação do Amazonas (Seduc-AM) nesta quinta-feira (18), em Manaus, reivindicações de um grupo de indígenas foram atendidas pelo secretário Rossieli Soares. O grupo visitou instituições e pediu por melhorias na educação escolar. De acordo com a Seduc, uma reunião foi realizada com aproximadamente 200 lideranças indígenas de mais de 20 municípios do Amazonas.

Entre as reivindicações dos indígenas atendidas pela Seduc, estão: a nomeação de um gerente de educação escolar indígena para a Seduc a partir da indicação que será providenciada por lideranças; a elaboração de material didático diferenciado, intercultural e bilíngue para uso de estudantes e professores indígenas e a realização de uma campanha de sensibilização de forma a abranger a sociedade para a importância dos povos indígenas, suas tradições e cultura, dentre outras providências. :: LEIA MAIS »

Acre serve de laboratório para implantação do Pronatec Indígena

Puyanawa-02

Os povos indígenas Puyanawa e Katuquina receberam na terça-feira, 16, a visita de um grupo de profissionais do Instituto Federal do Acre (Ifac) de Cruzeiro do Sul, ligados à execução de cursos do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec).

O motivo foi avaliar os resultados e preparar um documentário sobre os cursos que ora vêm sendo realizados nas aldeias, na modalidade de Pronatec Indígena, uma novidade dentro do programa, em que o Acre está servindo de laboratório para expandir a experiência para outras unidades da Federação.

Criado em 2011 pelo governo federal, o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) já chegou a mais de 70 mil pessoas no Acre com cursos de formação profissional e tecnológica em várias áreas, tendo como principais executores o Ifac e o Centro de Formação e Tecnologias do Juruá (Ceflora), que é ligado ao Instituto Dom Moacyr. :: LEIA MAIS »

Há 20 anos, visita a índios e choque cultural criavam clássico do Sepultura

:: LEIA MAIS »

Índios fazem acordo com governo de MT e liberam maquinário de obras

indios_e_maquinas_620x465_roiti

Índios de aldeia na região do Xingu se apossaram de maquinário na MT-322.
Eles cobravam retomada de obras e ameaçaram incendiar máquinas.

O maquinário da Secretaria estadual de Infraestrutura (Sinfra) que estava em posse dos índios da aldeia Piaraçu, na região do Parque Indígena do Xingu (norte de Mato Grosso) foi devolvido nesta quarta-feira (17), segundo divulgou a secretaria. Os índios, da etnia Kaiapó, haviam tomado as máquinas e levado-as para a aldeia, ameaçando incendiá-las, caso não fossem retomadas as obras de manutenção da rodovia estadual MT-322. :: LEIA MAIS »



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia