a escola indiogena

educação indígena em Manaus foi o foco das discussões, nesta quarta-feira, 31, em um fórum que reuniu 32 professores do município que atuam nas unidades de ensino indígenas e espaços culturais indígenas, além de outros profissionais. O objetivo é ampliar a discussão acerca do atual contexto da educação escolar indígena no município de Manaus visando elencar prioridades e necessidades de melhoria nas ações desenvolvidas.

O encontro, realizado no auditório da Divisão de Desenvolvimento Profissional do Magistério (DDPM) da Secretaria Municipal de Educação (Semed), também comemora os mais de dez anos da educação escolar indígena.

Participaram dos debates do I Fórum Municipal de Educação Escolar Indígena, a secretária municipal de educação, Kátia Schweickardt, o gerente da Educação Indígena da Semed, Rossini Maduro, o diretor-presidente da Fundação Estadual do Índio (FEI), Raimundo Nonato, o coordenador regional da Fundação Nacional do Índio (Funai), Edivaldo Oliveira, e o representante dos professores indígenas da Semed, Raimundo Cruz.

O evento contou ainda com a presença de lideranças, comunitários, representantes dos principais órgãos indígenas e indigenistas que atuam junto às comunidades indígenas de Manaus, representantes do Conselho Indigenista Missionário (CIMI), da coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB), da Pastoral Indigenista, Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e Fórum de Educação Escolar Indígena do Amazonas (Foreeia).

A Semed criou, em sua estrutura administrativa, por meio do decreto nº 8.396/2006, o Núcleo de Educação Escolar Indígena (NEEI), que em 2009, por meio do decreto nº 90/2009, passou a ser denominado de Gerência de Educação Escolar Indígena (GEEI). Por meio de um terceiro decreto municipal 1.394/2011, foi estabelecido a criação e o funcionamento de escolas indígenas e o reconhecimento da categoria de professores indígenas no sistema de ensino municipal de Manaus.