Pelo quarto dia, grupo se manifesta contra medida do Ministério da Justiça que reduziu área destinada à reserva da etnia Guarani.

Depois do corte no sinal de Rádio e Televisão, mais de 600 mil pessoas do norte da capital paulista e das cidades Cajamar, Mairiporã, Caieiras e Franco da Rocha, foram afetadas  segundo a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (ABERT).

Chegou ao quarto dia a manifestação de indígenas no Parque Estadual do Jaraguá, na zona norte de São Paulo. Eles protestam contra medida do Ministério da Justiça que reduziu a área destinada à reserva da etnia Guarani e pedem o restabelecimento da medida de 2015, que havia concedido a eles 512 hectares na região. O protesto impede o acesso de visitantes ao parque, onde fica o Pico do Jaraguá, ponto mais alto da cidade.

Os indígenas, que mantiveram desde o início do ato a ameaça de comprometer as estruturas de antenas de telecomunicações instaladas, negam ter de fato realizado qualquer corte e dizem agora que não há a intenção de fazer isso. “Vamos respeitar a todos e não vamos punir ninguém por um erro do governo”, disse um dos integrantes da aldeia, Karai Jekupe, de 34 anos. “Mas nunca vamos desistir de retomar o que é nosso direito, que é de viver na terra dos nossos ancestrais.”

A manifestação, que reúne cerca de mil pessoas, segundo estimativa dos organizadores, pode ser encerrada nesta sexta-feira, 15, caso eles recebam um documento que dizem ter sido acordado com a Secretaria do Meio Ambiente do Estado, que garantiria a eles avanços nas negociações para a retomada da área reservada.

O pasta estadual informou que esta é uma questão federal e não caberia pronunciamento sobre a questão. Ainda assim, o secretário do Meio Ambiente, Maurício Brusadin e os titulares das pastas de Segurança, Mágino Alves Barbosa Filho, e Justiça; Márcio Elias Rosa, participaram de reunião com representantes do movimento nesta sexta, “negociando com as lideranças uma resolução pacífica para a questão”.

O governo do Estado disse ter se comprometido a formar um comitê inter-secretarias “para lidar com a questão da sobreposição de áreas indígenas e Unidades de Conservação, antiga reivindicação dos guarani”.

A decisão de ampliação da Terra Indígena do Jaraguá foi suspensa pelo Ministério da Justiça, que voltou atrás em sua proposta inicial de remarcação por meio da Portaria 683/2017, que revogou a posse dos 532 hectares. Os indígenas dizem que agora 720 pessoas têm de viver em uma área de 1,5 hectare. “A decisão de revogar a nossa área nos causou um choque”, disse Jekupe.

O Ministério da Justiça não se manifestou sobre o assunto.