WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia



fevereiro 2018
D S T Q Q S S
« jan   mar »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728  


:: 5/fev/2018 . 22:59

Das peças indígenas a fósseis: os itens culturais ‘brasileiros’ que estão ou correm risco de ir parar no exterior

Museu na Dinamarca que abriga um dos seis mantos tupinambás conhecidos no mundo diz nunca ter recebido uma solicitação formal para devolução ao Brasil (Foto: Niels Erik Jehrbo/Museu Nacional da Dinamarca)

Os mantos tupinambás são resquícios exuberantes do povo que dominava a costa do Brasil há 500 anos. Há apenas seis exemplares preservados no mundo que ainda trazem quase intactos os trançados de fibras naturais e penas vermelhas de guarás e azuis de ararunas. Mas, apesar de eles terem sido confeccionados em território nacional, os brasileiros que queiram conhecê-los terão de viajar ao exterior: todos os exemplares de mantos tupinambás de que se tem notícia estão em acervos da Europa.

O mais conhecido e conservado deles está no Nationalmuseet, em Copenhague, capital da Dinamarca. O exemplar foi exposto no Brasil em 2000, nas comemorações dos 500 anos do descobrimento pelos portugueses.

Foi nessa ocasião que povos que reivindicam ser herdeiros dos tupinambás, em especial os Tupinambá de Olivença, na Bahia, passaram a requerer o retorno do manto. Desde então, porém, apesar de contarem com o apoio de universidades e outras organizações, não tiveram sucesso em reaver os objetos. Segundo pesquisadores, os exemplares que estão na Dinamarca, na França, na Itália, na Bélgica, na Alemanha e na Suíça saíram do Brasil como consequência da invasão holandesa no Nordeste. Com a expulsão dos holandeses de Pernambuco no século 17, os mantos acabaram sendo levados para a Europa – ainda que não se saiba exatamente como chegaram aos museus onde estão hoje.

Por e-mail, o Nationalmuseet disse à BBC Brasil que o item consta de registros do museu que datam de 1689 e admitiu que não há “conhecimento sólido” sobre sua procedência.

                                                Patrimônio nacional

Para além dos mantos tupinambás, o Brasil abasteceu – e continua abastecendo – acervos estrangeiros com peças arqueológicas, etnográficas e fósseis de dinossauros e animais pré-históricos.

:: LEIA MAIS »

Justiça reconhece violações sofridas por indígenas na Ditadura Militar

A decisão da Justiça reconhece violações contra povo Waimiri-Atroari na abertura da BR-174

Decisão liminar em ação civil pública do Ministério Público Federal do Amazonas (MPF-AM) indica que a ditadura civil-militar causou danos ao referido povo; medidas de grande impacto que afetem a sobrevivência dos indígenas não poderão ser adotadas sem a concordância dos indígenas.
A Justiça Federal no Amazonas reconheceu violações praticadas contra o povo indígena Waimiri-Atroari quando da abertura da rodovia BR-174 (que liga Manaus a Boa Vista) e determinou que empreendimentos capazes de causar grande impacto na terra indígena não podem ser realizados sem que haja consentimento prévio dos Waimiri-Atroari. :: LEIA MAIS »

Design de Moda conta com talento indígena

Natália Lipú da Silva, da Aldeia Ekeruá, conclui curso superior

Natália Lipú da Silva, da Aldeia Indígena Ekeruá, em Avaí (39 quilômetros de Bauru), acaba de concluir o curso em Design de Moda na Universidade do Sagrado Coração (USC) de Bauru. Ela faz parte do projeto de extensão Identidade Araribá da Universidade, que concede bolsas de estudos a estudantes indígenas, oferecendo a possibilidade do acesso à formação superior e à vida acadêmica.

A estudante conta que a experiência de cursar foi muito gratificante e também um momento para se descobrir na profissão. “Tive a percepção de que nada é impossível de se criar, seja ela uma peça de roupa, estampa ou acessório. Basta simplesmente depositar amor, criatividade e determinação naquilo que você for desenvolver, que o resultado e reconhecimento surgirão naturalmente”, frisa.

“Desde a infância, aprendi com meus pais a fazer os artesanato indígena. Agora, com as habilidades e conhecimentos adquiridos com o curso, terei uma facilidade maior de criar e ensinar outros membros da comunidade a levar adiante um costume indígena tão belíssimo, que, atualmente, é um gerador de admiração aos não indígenas e uma base de renda para nossas famílias”, comenta. Como designer de moda, Natália vai auxiliar em sua comunidade na produção e ensino dos artesanatos indígenas. :: LEIA MAIS »

BA: Comunidade Quilombola do Boqueirão em Vitória da Conquista celebra recebimento de habitações rurais

“precisamos estar juntos em parceria com comunidades quilombolas, indígenas, povos de terreiro, assentamentos, agricultores familiares, por um rural mais justo e estruturado” Destacou o secretário da SDR
“Isso aqui foi uma benção de Deus. Eu não chamo de casa, mas de minha mansão”, afirmou Idalina de Jesus Anjos, moradora da comunidade Quilombola de Boqueirão, município de Vitória da Conquista, Território de Identidade Sudoeste Baiano. Ela está entre as 84 famílias que foram beneficiadas pelo Governo do Estado com habitação rural. Neste  sábado (03), os beneficiários  celebram a conquista de uma moradia digna e com acesso à água.

:: LEIA MAIS »

Projeto da UFPR auxilia tribos indígenas do Litoral

Foto ilustrativa: Hedeson Alves / SEED
Foto ilustrativa: Hedeson Alves

Eles são desconhecidos pela grande maioria dos paranaenses. Vivem em regiões afastadas dos centros urbanos, em pequenas e rústicas moradias de madeira construídas com as próprias mãos. Cercados pela mata, têm como companhia seus animais domésticos e poucos pertences – muitos deles doações de pessoas que se sensibilizaram com sua luta diária contra a pobreza. Mesmo assim, mantêm suas tradições, cultura e alegria.

:: LEIA MAIS »



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia