O secretário da Setre, Davidson Magalhães, destacou que um dos objetivos do projeto é contribuir para que as mulheres tenham consciência do seu papel na sociedade e alcancem sua independência financeira. Foto: Ascom

A aula inaugural do projeto “Inclusão Digital, Trabalho e Cidadania para Mulheres Quilombolas” foi realizada na tarde desta quinta-feira (1º), no município de Taperoá, no baixo sul da Bahia. A iniciativa, que conta com um investimento de R$ 126,3 mil do Fundo de Promoção do Trabalho Decente (Funtrad), beneficiará diretamente 40 moradoras do povoado de Graciosa.

O projeto vai oferecer curso de inclusão digital, articulado com formação de cidadania, por meio da abordagem de temas relacionados ao cotidiano das quilombolas. “A expectativa para o curso é grande. A gente vai aprimorar os nossos conhecimentos e conquistar qualificação para vencer os desafios no mercado de trabalho”, conta a educadora social, Maria Damiana Guimarães, 48 anos.O Instituto de Desenvolvimento Sustentável do Baixo Sul (IDES) é o responsável pela execução da iniciativa, que contempla o eixo Promoção da Igualdade de Gênero e Raça da Agenda Bahia do Trabalho Decente.

Para o secretário do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte, Davidson Magalhães, a formação terá reflexos positivos na vida das participantes. “Um dos objetivos do projeto é contribuir para que as mulheres tenham consciência do seu papel na sociedade e oferecer condições para que elas alcancem também independência financeira”, destacou o secretário.

Funtrad

O Funtrad é um fundo de natureza contábil-financeiro criado, em 2011, pelo Governo do Estado para captar recursos, provenientes de fontes diversas, exclusivamente para colaborar na implementação de ações de promoção do trabalho decente no estado da Bahia.

Ascom Setre