A juíza Sandra Magali Brito, que é autora do projeto, ouviu os membros do Povo Tupinambá de Olivença, que agradeceram e elogiaram pela iniciativa.

O movimento ao Restaurativo Brasileiro comemorou neste mês de novembro, um ano de atividades do projeto intitulado “Um olhar sobre as crianças e adolescentes de Ilhéus”, com atividades na Faculdade Madre Thaís, Fórum de Ilhéus e mais três entidades filantrópicas do município, onde o projeto acontece.

Durante as atividades em comemoração da Justiça Restaurativa, houveram vários círculos de palestras, início de especialização em uma faculdade, além de doação de alimentos recolhidos durante as ações.

A juíza Sandra Magali Brito, acompanha as atividades em celebração ao projeto de sua autoria

de autoria da juíza Sandra Magali Brito, titular da Vara de Infância e Juventude da comarca do município de Ilhéus, a Justiça restaurativa é uma técnica de solução de conflito e violência que se orienta pela criatividade e sensibilidade a partir da escuta dos ofensores e das vítimas, que funciona em parceria com Núcleo de Justiça Restaurativa do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia, e entre outras entidades públicas e privadas.

As atividades em comemoração a uma do projeto Justiça Restaurativa, finalizaram em Olivença.

As atividades foram realizadas na faculdade Madre Thaís, Casa de Apoio á pessoa com Câncer – Dom Eduardo, Auditório do Júri de Ilhéus, Abrigo São Vicente de Paula e na Aldeia Igálha em Olivença, onde a Associação Tupinambá de Olivença, executa o projeto nas comunidades indígenas local, em parceria com o Tribunal de Justiça da Bahia e a Secretaria Estadual do Trabalho (SETRE).

Da Redação