Ação de retirada pacifica foi realizada por comunidades indígenas. Foto: Divulgação/Ascom CIR

Devido à contaminação de rios, lagos e igarapés pela prática ilegal de garimpo que se instalou no rio Cotingo, próximo ao igarapé Samaúma, lideranças realizaram  dia 01 de abril a retirada de garimpeiros e apreenderam todo material utilizado na atividade ilegal.

Segundo o coordenador Regional, Aldenir Cadete, a retirada dos garimpeiros é uma ação da região e contou com participação de lideranças da região de Baixo Cotingo. Disse ainda que no passado, “muitos indígenas morreram por causa do garimpo, foram baleados, retiros destruídos, roças queimadas e vários crimes foram cometidos que ficaram impunes”.

Os membros da comunidade Tamanduá,informaram “a água do rio está poluída por óleo diesel e que eles não usam mais para o  consumo ou qualquer trabalho comunitário”.

Durante a ação as lideranças encontram duas balsas e vários equipamentos usados para extração de ouro e diamante, e quatro garimpeiros não indígenas foram detidos. Mas após dialogo com lideranças da Sodiur foram liberados.

As lideranças informaram que o material apreendido só será liberado para as autoridades competentes.

O coordenador informou que há outras áreas da Raposa estão sendo usadas para a prática ilegal de garimpo e por diversas vezes foi denunciado, mas nada foi resolvido.

“As lideranças da região já denunciaram aos órgãos competentes sobre essa atividade criminosa, porém ainda continua. Por isso nós das comunidades indígenas continuaremos com a vigilância permanente do território”, afirmou.

Cadete destacou que a atividade ocorreu tranquilamente sem conflitos entre comunidades.

A T.I fica situada no nordeste do estado de Roraima, homologada no ano de 2005, território tradicional dos povos Macuxi, Taurepang, Wapichana, Patamona e Ingaricó.

Com informações da Assessoria de Comunicação do Conselho Indígena de Roraima (CIR)