Olivia Fox canta o hino nacional da Austrália na língua eora durante partida de rúgbi em 2020Foto: Dean Lewins/EPA-EFE/Shutterstock

A Austrália acordou para um novo ano nesta sexta-feira (1º) – e com um hino nacional ligeiramente diferente. O hino, “Advance Australia Fair”, foi ajustado para reconhecer a história e as comunidades indígenas do país, anunciou o primeiro-ministro Scott Morrison na noite de quinta-feira, horas antes da chegada de 2021.

A primeira linha, “Todos nós australianos, vamos nos alegrar, pois somos jovens e livres”, terminará agora com “um e livre”.

“A Austrália como uma nação moderna pode ser relativamente jovem, mas a história de nosso país é antiga, assim como as histórias de muitos povos das Primeiras Nações cuja administração reconhecemos e respeitamos corretamente”, escreveu Morrison em um artigo de opinião no Sydney Morning Herald.

“No espírito de unidade, é justo que agora reconheçamos isso e garantamos que nosso hino nacional reflita essa verdade e apreciação compartilhada. Mudar ‘jovem e livre’ para ‘um e livre’ não leva nada embora, mas acredito que acrescenta muito.”

O governo histórico de alterar a música para ser mais inclusiva – quando a composição original de Peter Dodds McCormick de 1878 foi declarada o hino nacional oficial em 1984, substituindo “God Save the Queen”, duas instâncias de “filhos” foram trocadas por gênero neutro.

 

O hino se tornou polêmico nos últimos anos, em meio a conversas crescentes sobre representação indígena, desigualdade sistêmica e injustiça racial. Em particular, muitos têm rechaçado a frase “porque somos jovens e livres” – uma homenagem a quando a Primeira Frota da Grã-Bretanha pousou na Austrália em 1788 – dado que a Austrália é o lar de uma das civilizações mais antigas conhecidas do mundo.

Em 2018, uma menina de 9 anos foi agredida por proeminentes políticos, que pediram que ela fosse expulsa da escola, por se recusar a se levantar durante o hino em respeito à população indígena. Em 2019, atletas foram manchetes por se recusarem a cantar o hino em jogos de futebol. E em 2020, os jogadores da união nacional de rúgbi cantaram o hino no idioma da Nação Eora – a primeira vez que ele foi cantado em um idioma indígena em um grande evento esportivo.

Peter Vickery, fundador e presidente da organização sem fins lucrativos Representation In Anthem (Representação no Hino), tem feito campanha por um hino mais inclusivo desde 2016. “Muitos de nossos povos indígenas acharam difícil, senão impossível, cantar as palavras excludentes de ‘Avante, Bela Austrália”, disse Vickery na sexta-feira. “Simplesmente não podemos ter um hino que magoe seu próprio povo.”

Vickery trabalhou com outros líderes e cantores indígenas para criar letras alternativas e mais inclusivas – sendo uma das mudanças a frase “um e livre” que Morrison adotou. A campanha ganhou maior visibilidade e impulso no ano passado, quando Gladys Berejiklian, premiê do estado de New South Wales, expressou seu apoio.

“Francamente, estou exultante”, disse Vickery. “Isso atinge um objetivo principal do nosso trabalho, que era converter palavras de mágoa ou exclusão em palavras de inclusão e abraçar uma sociedade multicultural do século 21”.

Outras figuras indígenas australianas proeminentes, incluindo o ministro dos australianos indígenas Ken Wyatt e a velocista vencedora da medalha de ouro olímpica Cathy Freeman, também comemoraram a mudança.

Mas a alteração também foi recebida com ceticismo por pessoas que a consideraram insubstancial e mais simbólica do que capaz de efetuar qualquer mudança real.

“A mudança de uma palavra do hino não é o suficiente!” twittou o ex-campeão mundial de boxe indígena Anthony Mundine na sexta-feira, acrescentando que o país precisava “desistir da música e começar de novo com um pouco de história negra e história branca”.

Vickery reconheceu abertamente essas críticas, dizendo que o poder simbólico da campanha “nunca pode ser um substituto para a substância”. Mas, ele acrescentou, o hino ainda era “um primeiro passo criticamente importante”.

Outros críticos argumentaram que a mensagem de unidade, e a inclusão de “grátis” na letra, é prejudicada por políticas polêmicas para requerentes de asilo e refugiados detidos nos notórios centros de imigração da Austrália, bem como as barreiras sistêmicas que a população indígena ainda enfrenta.

Enquanto a população indígena do país representa 3,3% de seus 25 milhões de habitantes, eles representam mais de um quarto de seus 41.000 prisioneiros. Os australianos indígenas também têm quase o dobro de probabilidade de morrer por suicídio, têm uma expectativa de vida quase nove anos menor e taxas de mortalidade infantil mais altas do que os australianos não indígenas. A taxa de desemprego para os australianos indígenas é mais de 4 vezes a média nacional.

Ian Hamm, presidente da organização indígena First Nations Foundation, elogiou a letra alterada – mas também destacou que ações mais concretas precisam ser tomadas.

Por exemplo, a Austrália ainda não tem um tratado entre seu governo e seu povo indígena – ao contrário de outros países da Commonwealth, como Nova Zelândia e Canadá. A constituição australiana também não menciona explicitamente a população indígena do país.

“Acho que é um bom passo, mas afinal, é apenas um passo, uma coisa”, disse Hamm. “E o hino em si é apenas isso – é uma canção. Há um monte de outras iniciativas, mudanças e esforços a serem feitos para criar oportunidades iguais para os aborígenes e resultados de vida iguais para os povos aborígenes.”

Fonte: CNN BRASIL