WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

secom ponte ilheus

setembro 2020
D S T Q Q S S
« ago    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  


:: ‘_destaque1’

Rosto de indígena que viveu há 2 mil anos em Pernambuco é reconstituído

india-3-

Pesquisadores reconstituíram pela primeira vez o rosto de uma indígena que viveu há 2 mil anos no Brasil, a partir do crânio encontrado no Agreste de Pernambuco. A mulher pertenceu a um grupo nômade e tinha idade entre 15 e 18 anos, de acordo com os cientistas.

Considerada parente mais antiga dos pernambucanos, a índia viveu no município de Brejo da Madre de Deus. A face foi reconstituída pelo designer Cícero Moraes, que mora em Sinop (MT). :: LEIA MAIS »

Educação: Há três vezes mais negros e indígenas sem aula na pandemia do que brancos

a-saude

Pesquisa feita com base em dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica um fosso entre estudantes brancos e não brancos, matriculados nas redes pública ou privada, durante a pandemia. Com a suspensão das aulas presenciais, 4,3 milhões de alunos negros, pardos e indígenas ficaram sem nenhuma atividade escolar. Já entre os brancos, o número gira em torno de 1,5 milhão (veja os números, estado por estado).

Os dados são de levantamento feito pelo Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap) e pela Rede de Pesquisa Solidária, a partir de informações da Pnad-Covid do IBGE. :: LEIA MAIS »

520 anos depois, Piauí tem seu 1º território indígena reconhecido

A

Comunidade Serra Grande dos índios Kariri em Queimada Nova – primeira com território demarcado no Piauí

520 anos depois do início da colonização do Brasil e na comemoração dos 198 anos da Independência do Brasil, o Piauí tem seu primeiro território indígena reconhecido. O estado piauiense, juntamente com o Rio Grande do Norte eram os únicos estados brasileiros a não terem territórios indígenas reconhecidos. Mesmo tendo comunidades distribuídas em várias regiões, somente agora o Estado corre atrás do prejuízo e vai fazer sua primeira demarcação. Os índios estão no país antes mesmo da chegada dos portugueses ainda no ano de 1500.     :: LEIA MAIS »

BA: Estudantes indígenas das escolas estaduais de Ilhéus são testados para o Coronavírus

whatsappimage2020-08-13at171311

A Secretaria da Educação do Estado da Bahia (SEC) continua realizando a testagem para o novo Coronavírus nas escolas estaduais dos municípios de ilhéus, Itabuna e Jequié. Nesta quinta-feira (13), em Ilhéus, o dia foi marcado por testagens de estudantes indígenas da etnia Tupinambá de quatro escolas indígenas do território.

Os estudantes indígenas Itauã Porã, 10, 5º ano, e João Gabriel dos Santos, 11, 6º ano, do Colégio Estadual Indígena Tupinambá de Acuipe de Baixo, localizado em Ilhéus, contam que ficaram satisfeitos com o atendimento realizado diretamente na aldeia onde moram. “Agradeço ao governador Rui Costa pelos testes para a gente saber como está a nossa saúde”, disse Tauã. “Essa testagem é muito importante para a gente”, reforçou João Gabriel.  :: LEIA MAIS »

‘Amazônia é como a vagina do mundo’, afirma líder indígena Célia Xakriabá

Líder indígena, Célia Xakriabá (Foto: Leo Lara/Universo Produção)

“Bolsonaro gosta de dizer que os povos indígenas estão se tornando mais humanos, mas os povos indígenas não gostam do tipo de humanidade que não respeita a terra, não respeita os animais, porque só se sabe ser humano se você sabe ser uma planta, como ser uma semente, como ser alimento”

Em entrevista ao jornal inglês The Guardian, a líder indígena Célia Xakriabá, ativista que atua pela proteção das florestas brasileiras, defendeu que participação feminina é essencial para a preservação da biodiversidade e dos povos indígenas do Brasil. Para ela, “o século 21 é o século da mulher indígena”. :: LEIA MAIS »

Indígenas recorrem à medicina tradicional no tratamento contra a covid-19

O pajé Diakara Desano, da etnia desano, segura folhas que usará para fazer chá e tratar os doentes de sua comunidade, na periferia de Manaus (AM). Com a memória viva de outras epidemias, Diakara reivindica a valorização da sabedoria indígena. Foto de Christian Braga

Desassistidas pelo sistema de saúde, comunidades indígenas incorporam elementos de suas próprias culturas – como chás e benzimentos oferecidos por pajés – às técnicas médicas convencionais.

Por Gabi Di Bella. Fotos de Christian Braga

“Vou usar o benzimento tradicional e, desse jeito, vai curar mais rápido. Dito e feito, acertei”, é com essa resiliência que o pajé Ercolino de Jorge Araújo Alves, da etnia desana, explica como decidiu encarar a pandemia da covid-19 em sua comunidade, em São Gabriel da Cachoeira, no extremo noroeste do Amazonas. O pajé diz que recebe os ensinamentos de seu avô desde os 14 anos e que o ancião “aparece nos meus sonhos me dizendo o que fazer.”

:: LEIA MAIS »

A ameaça de genocídio que paira sobre os povos indígenas isolados no Brasil

isolados-envira-gleilson-miranda-cgiirc-funai

Para esses povos, o genocídio não é apenas uma possibilidade distante, mas um risco iminente que cresce com o avanço da covid-19 e com a presença impune de invasores nos territórios indígenas

O aparecimento de um grupo de indígenas isolados no entorno da Terra Indígena (TI) Uru-Eu-Wau-Wau, numa área habitada por colonos, no município de Seringueiras, em Rondônia, no dia 19 de junho de 2020, é mais um registro da movimentação desses povos em distintos lugares da Amazônia. Os deslocamentos desses grupos, se expondo ao risco do contato com não indígenas – que por si só já representa uma grande ameaça a sua sobrevivência – evidencia algo ainda mais grave, nesses tempos de pandemia da covid-19: a invasão de seus territórios.

:: LEIA MAIS »

Pandemia se alastra e contamina mais de 80 índios de quatro municípios do Piauí

pandemia

Pesquisadores acompanham o avanço da Covid-19 nos povos indígenas no Piauí e denunciam a ausência de uma assistência mais eficaz do Ministério da Saúde nas comunidades locais. Uma indígena já morreu em decorrência da doença no estado. O Piauí está com um caso suspeito, 87 casos confirmados, sendo 78 do povo Warao. Dois indígenas já estão curados.  A Covid-19 já foi detectada nos povos Warao (Teresina), os Gueguê do Sangue (Uruçuí), os Gamela (Bom Jesus) e os Tabajara (Piripiri). :: LEIA MAIS »

Indígena Sheila Payayá é pré-candidata à prefeitura de Morro do Chapéu na Bahia

A vereadora indígena Sheila Payayá é a primeira mulher indígena pré-candidata à prefeita no Brasil. Foto: Divulgação

PT confirma primeira pré-candidatura de mulher indígena à prefeitura na Bahia

O Partido dos Trabalhadores (PT) de Morro do Chapéu confirmou na semana passada, domingo (5), o nome da professora e vereadora Sheila Payayá, como a primeira mulher indígena na Bahia e no Brasil, a concorrer com uma pré-candidatura à prefeita da cidade de Morro do Chapéu. A confirmação aconteceu durante o Encontro Municipal do partido realizado por meio de plataforma virtual. O Diretório municipal, presidido por Marcelo Azevedo, apresentou também os pré-candidatos a vereadores Maurício Valois, Pedro Calado, Iracema Nascimento, e Luzenir Teixeira (Pipita). :: LEIA MAIS »

A morte do futuro: covid-19 entre os povos originários

Uma indígena chora no funeral do cacique Messías Kokama, de 53 aNos, vítima de covid-19, no Parque das Tribos, em Manaus, no dia 14 de maio. RAPHAEL ALVES / EFE

O coronavírus é grave para todos os corpos sem imunidade, porém mais grave ainda para quem vive à margem das proteções do Estado, como as populações negras e indígenas

Era do povo Yanomami, vivia aldeado. Índio de cidade ou índio aldeado são compostos que descrevem formas de vida para os povos originários. O território importa tanto quanto a etnia para a disputa de quem são os indígenas na contagem dos mortos pela pandemia. O menino de 15 anos vivia como se imagina um índio aldeado: longe da cidade, com língua e crenças próprias, habitando casas comunais. :: LEIA MAIS »



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia