WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia



agosto 2017
D S T Q Q S S
« jul    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  


:: ‘Artigos’

Parecer do Governo sobre demarcação indígena é retrocesso de 50 anos

Transferência indígena em avião da Força Aérea
Autor de livro que estudou a política do Governo em relação aos indígenas na época da ditadura militar, jornalista afirma acreditar que regra acentuará conflitos no campo                                                   

Por Talita Bedinelli
Entre outubro de 2013 e setembro de 2015, o jornalista Rubens Valente, repórter da Folha de S.Paulo, debruçou-se sobre arquivos do Governo federal, entrevistou 80 pessoas e percorreu 14.000 quilômetros entre dez Estados brasileiros. Queria desvendar as histórias, pouco conhecidas, de como os indígenas foram tratados na época mais obscura da história do Brasil, a ditadura militar. O resultado está no livro Os fuzis e as flechas: História de sangue e resistência indígena na ditadura (Companhia das Letras, 2017). A narrativa mostra como o contato com grupos, muitos que viviam até então isolados na selva, ora praticamente dizimou etnias inteiras, ora deslocou-as para terras com as quais eles não tinham qualquer ligação cultural. Para dar lugar a rodovias, hidrelétricas ou afastá-los de grupos econômicos caros ao Governo, como os fazendeiros, muitos índios perderam suas terras para sempre e, alguns, a própria vida. :: LEIA MAIS »

Quando os índios davam bordunadas

timthumb

Nosso colunista dá um mergulho no passado e lembra agosto de 1980, quando índios reagiram contra a invasão de suas terras por posseiros, e republica um entrevista histórica com Raoni, o mesmo que, no Carnaval, defendeu, no Sambodromo, os índios ameaçados pelo agronegócio.

Por José Ribamar Bessa Freire, de Niterói, RJ

Oito de agosto de 1980. Meio dia. Cerca de 20 peões, a mando de um fazendeiro, armados com motosserras, derrubavam árvores no Norte do Xingu. Já haviam sido advertidos que ali era área indígena. Reincidiram. Onze deles foram, então, mortos abordunadas numa ação unificada de noventa índios de seis nações, que teve repercussão :: LEIA MAIS »

JB: Índios e direitos agredidos

Os Tupinambá de Olivença, mantendo tradições, reflorestam suas matas. Foto: Walney Magno

Fatos extremamente reprováveis ocorreram ultimamente na ordem jurídica brasileira, ameaçando direitos proclamados e assegurados pela Constituição, e, ao mesmo tempo, ofendendo disposições de normas constitucionais quanto ao sistema normativo e às competências das autoridades e dos órgãos públicos federais. E mais surpreendente ainda foram os acontecimentos porque o ator principal dessa confusão jurídica, pelo menos o responsável ostensivo, foi o Ministro da Justiça, autor de um excelente e prestigioso comentário da Constituição de 1988. :: LEIA MAIS »

Questão indígena – Com Temer, a questão indígena retrocede

a-dsei-mt

por Murilo Matias- Carta Capital

Muito cacique para pouco índio. A tradicional expressão brasileira que sugere excesso de autoridades para um reduzido número de seguidores inverte-se na realidade vivenciada pelos índios na política nacional. Ausentes nos espaços de poder, os indígenas veem seus dramas se intensificarem, com a fragilização da Fundação Nacional do Índio (Funai), a ofensiva da bancada ruralista e o massacre de etnias impulsionado pela guerra de especuladores do agronegócio, percebida por muitos como a continuação de um genocídio. :: LEIA MAIS »

Cimi : Governo Temer Golpeia Saúde Indígena

a-saude

O Cimi repudia a publicação, neste 17 de outubro de 2016, da Portaria de número 1.907, pelo governo Temer, na pessoa do ministro da Saúde, Ricardo Barros. Ao revogar a Portaria 475, de 16 de março de 2011, o Ministro retira competências atribuídas ao Secretário de Saúde Indígena, da Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI), órgão ligado ao próprio Ministério da Saúde, no que se refere à gestão orçamentária e financeira relativa à política pública de atenção à saúde dos povos indígenas.  :: LEIA MAIS »

Carta Capital – Indígenas de São Paulo, acossados por todos os lados

a carta

Terra indígena sofre com expansão da cidade e é pressionada por lei que concede parques à iniciativa privada

É na casa de reza da Tekoa Ytu, no Jaraguá, que índios guarani no menor território indígena do Brasil conseguem vivenciar a plenitude do modo de vida de seus antepassados. Em meio à fumaça da fogueira, do fumo de corda queimando e das canções embaladas por timbres de instrumentos como rabeca, maraca mirim e takuapu, membros do grupo mbya transmitem aos mais novos cultura, conhecimento e força. :: LEIA MAIS »

O Estado contra os índios

A.

*Artionka Capiberibe

O Estado é um antagonista de peso, haja vista as políticas de desenvolvimento em curso, não importe o impacto que causem às populações indígenas

Uma ideia antiga, de séculos, vigora em relação aos povos indígenas, a de que seriam sujeitos em transição e que, por isso, não lhes custaria renunciar a seus modos de vida em favor do modo de vida do “branco”. Mas, no que isso interessaria aos indígenas? O que ganhariam? E, que lugar na sociedade brasileira estaria reservado a eles?

A proposta é simples: vocês abrem mão de viver em (e de) suas terras, deixam de ser indígenas e podem “livremente” tornar-se pobres na sociedade brasileira. Uma troca bem explicada pelo xamã yanomami Davi Kopenawa: “[…] Sei apenas que a terra é mais sólida do que nossa vida e que não morre. Sei também que ela nos faz comer e viver. Não é o ouro, nem as mercadorias, que faz crescer as plantas que nos alimentam e que engordam as presas que caçamos! Por isso digo que o valor de nossa floresta é muito alto e muito pesado. Todas as mercadorias dos brancos jamais serão suficientes em troca de todas as suas árvores, frutos, animais e peixes”. :: LEIA MAIS »

“Onde está escrito que retomada é crime?”: o voto separado do deputado Pedro

cimi retomada CIMI

Em voto separado divergente às conclusões apresentadas pelo relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instalada na Assembleia Legislativa do Mato Grosso do Sul para investigar se o Conselho Indigenista Missionário (Cimi) incita e financia “invasões” indígenas em propriedades rurais privadas no estado, o deputado estadual Pedro Kemp (PT) – na foto – pede o arquivamento do processo porque “não vislumbra” qualquer ação ilícita praticada pelo Cimi. O parlamentar ressalta que, portanto, os encaminhamentos da CPI pedindo o indiciamento de missionários, missionárias e assessores da instituição são completamente descabidos

:: LEIA MAIS »

Indígenas fundam partido e defendem separatismo no Chile. Qual a chance de sucesso

*João Paulo Charleaux

Reivindicando soberania sobre terras ‘invadidas’ por europeus, etnia mapuche lança legenda própria e luta por território autônomo reivindicado desde o século 19

partido indigena o

REPRESENTANTES MAPUCHE PROTESTAM CONTRA PRISÕES EM VALPARAISO

Há pelo menos 155 anos, os indígenas da etnia mapuche lutam para reconquistar o que consideram um território roubado pelos colonizadores europeus no sul do Chile. Nessa luta, fazendas, igrejas, carros e casas são queimadas, e os responsáveis pelos ataques são levados a julgamento com base numa legislação de exceção. Alguns indígenas são julgados como terroristas.

Desde 1861, essa dinâmica vem se repetindo com poucas variações. Mas um fato ocorrido no dia 21 de abril pode mudar a forma como os mapuche (a palavra não tem plural no idioma mapudungun) tentam fazer valer suas reivindicações – eles criaram um novo partido político e prometem retomar as terras “ocupadas”, nas urnas. :: LEIA MAIS »

Há 32 anos com terras demarcadas, índios vivem bem entre tradição e modernidade

 *Caroline Maldonado
Roupas coloridas em comemoração dos Kadiwéu. (Foto: Cassandra Cury)
Roupas coloridas em comemoração dos Kadiwéu. (Foto: Cassandra Cury)

“Índio que é índio usa cocar, mora em oca, vive de caça e briga por terra”. É o que passa na cabeça de muita gente em Mato Grosso do Sul, estado com a segunda maior população indígena do país, atrás apenas do Amazonas.

Na escola ninguém fala que, assim como Adão e Eva fazem parte do mito da criação do homem para muitos brancos, cada etnia indígena tem uma maneira diferente de pensar a criação do mundo, de se organizar politicamente e outras ideias para o que chamamos de desenvolvimento econômico.

Se o índio da escola era um Tupinambá pelado do século XVI, agora é um ser dividido entre tradição e tecnologia. “Como pode ele usar roupa, ter smartphone e caminhonete e ainda querer ser ‘índio puro’?”, questionam.

Querem obrigar o índio a fazer uma escolha que ninguém tem condições de fazer, porque, para começar, ninguém é puro num Brasil que acolheu dezenas de etnias de outras partes do mundo. Além disso, a identidade de um povo não tem a ver com preservar intactos costumes de antepassados.

A tradição passa por processos de tradução e ressignificação. Da mesma forma que os portugueses passaram a utilizar as redes de dormir dos índios durante a colonização e nós, hoje, usamos diversas coisas da China, os indígenas se utilizam de diversas tecnologias do século XXI, sem abrir mão de suas praticas tradicionais.



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia