WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

secom ponte ilheus

setembro 2020
D S T Q Q S S
« ago    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  


:: ‘Artigos’

Daniel Munduruku: “Únicos comunistas no Brasil chamam-se povos indígenas”

O escritor Daniel Munduruku Imagem: Arquivo pessoal Fred Di Giacomo

modo de vida simples, que dividem tudo entre si. Aí eu entendi quais eram os socialistas que estavam sendo perseguidos [pelo governo Bolsonaro]. São aqueles que ainda seguram a fronteira do capitalismo, que se chocam frontalmente com isso. É a última fronteira a ser conquistada.

É aquilo que os militares tentaram fazer, nos anos 70, e não conseguiram.Nesse sentido os últimos socialistas somos nós.” Daniel Munduruku, 56, é socialista duas vezes, segundo seu conceito: por nascença e por opção. Indígena do povo Munduruku, Daniel nasceu em Belém, e passou os primeiro sete anos de sua vida na aldeia Maracanã, interior do Pará. :: LEIA MAIS »

“A Política Nacional de Resíduos Sólidos é uma bandeira que precisa ser levantada por todos”

*Arnold Coelho

Outro dia fiz um artigo no qual eu alertava ao vereador e aos pré-candidatos ao legislativo municipal sobre os seus direitos e deveres. Falei como morador e eleitor de Ibicaraí e tomei o cuidado de ser o mais objetivo possível, mostrando o que penso. Em momento algum falei que a minha verdade era absoluta, e percebi que o resultado foi muito positivo.

:: LEIA MAIS »

Como colonizadores infectaram milhares de índios no Brasil com presentes e promessas falsas

Um avião sobrevoa os campos e despeja dos céus brinquedos infectados pela gripe. Criadores de gado atraem uma tribo desavisada a um povoado que enfrenta uma grave epidemia. Fazendeiros largam estrategicamente pelo chão mudas de roupa contaminadas com varíola.

São esses alguns dos relatos registrados ao longo da história do Brasil que apontam para o uso proposital de doenças como armas biológicas em batalhas contra povos indígenas e que teriam contribuído para dizimar grande parte das tribos que existiam originalmente no país.

Ao descrever a investida de plantadores de cacau sobre as terras reservadas às tribos kamakã e pataxó, na Bahia do início do século 20, o antropólogo Darcy Ribeiro conta no livro Os índios e a civilização que os invasores lançavam mão de “velhas técnicas coloniais, como o “envenenamento das aguadas” e “o abandono de roupas e utensílios de variolosos onde pudessem ser tomados pelos índios”.

:: LEIA MAIS »

Cultura Indígena: 5 coisas que você precisa saber

CERTUS 02

Os povos indígenas contribuíram para a formação da cultura brasileira com vários aspectos marcantes. Os costumes desse povo são encontrados em palavras do nosso vocabulário, em nomes de cidades, em alimentos que consumimos e vários outros fatores do nosso cotidiano. Mesmo tendo relevância, o conhecimento sobre os índios ainda é escasso em nosso país.

No dia 19 de abril comemora-se o Dia do Índio no Brasil, um momento para relembrarmos algumas características importantes dessa cultura. O órgão encarregado por cuidar do povo indígena é a Fundação Nacional do Índio (Funai). Ele é responsável por defender os direitos e estabelecer políticas públicas que favoreçam a preservação dos costumes e da população indígena. :: LEIA MAIS »

INDÍGENAS: O CAPÍTULO POUCO LEMBRADO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA

Mulheres Kayapó da Amazônia Brasileira – Getty Images

Dez etnias indígenas estão entre as vítimas apontadas na Comissão Nacional da Verdade. Entenda o conflito entre esses grupos e o regime militar

O massacre de indígenas na ditadura militar brasileira vem desde o governo Castelo Branco de 1964, que através do Plano de Integração Nacional (PIN), procurou expandir as fronteiras internas do Brasil. Isso significou perseguição, prisão, tortura e assassinato de lideranças indígenas, que lutavam por seus territórios e cujo comportamento era considerado inadequado ao projeto desenvolvimentista do país. :: LEIA MAIS »

Educador indígena

254745_1

*Elias Januário

O processo de formação de educadores indígenas, bem como as ações desenvolvidas por esses profissionais no contexto de uma educação escolar específica, diferenciada e intercultural, representa uma tarefa desafiadora que trilha por um caminho marcado por conceitos, concepções e metodologias que propiciam um ambiente cauteloso, que deve seguir dando um passo de cada vez, para que possamos formular propostas que conduzam a ações efetivas e em consonância com o que pensam e desejam as diversas comunidades indígenas que vivem em nosso país. :: LEIA MAIS »

A luta dos povos indígenas é de todos nós. Ou ao menos deveria ser

Priscila Tapajowara durante a concentração no vão do Masp

*Maria Fernanda Ribeiro

Os povos indígenas de todo o Brasil realizaram ao longo de todo o dia 31 de janeiro a primeira grande manifestação popular contra as políticas anti-indigenistas do governo Bolsonaro. A estimativa é de que ocorreram protestos em quase 60 pontos Brasil afora e adentro, mas se você não faz parte de uma rede, digamos, indígena, talvez não tenha lido notícias sobre isso. Na timeline das minhas redes sociais não havia outro assunto e as fotos publicadas pelos próprios indígenas (sim, caros leitores, índio usa celular e tem perfil no Facebook e publicam stories no Instagram) mostravam que a disposição para que seus direitos sejam garantidos é a ferramenta que usam para lutar. :: LEIA MAIS »

Sonia Bridi: “Quem defende propriedade tem que defender autonomia dos índios”

A jornalista Sonia Bridi, abre o verbo contra Bolsanaro. Foto: João Miguel Junior

Através das redes sociais a jornalista e escritora Sônia Bridi, da TV Globo, numa demonstração clara de revolta, criticou a postura do governo Bolsonaro contra indígenas, e escreveu o seguinte:”Quem defende propriedade tem que defender a autonomia dos índios e a integridade de seus territórios. Invasor de TI é criminoso.”afirmou Sonia. Segundo fontes, tal atitude teria custado uma breve conversa com o pessoal da direção da rede Globo, que sugeriu um pouco de cautela nas declarações nas redes sociais. A repercussão da publicação tem gerado muitos comentários de apoio e solidariedade pela coragem de dizer o pensa, a exemplo do que postou a liderança indígena, Sonia Guajajara, :: LEIA MAIS »

E as sombras, hein?!

Mariana Benedito*

Complementares! É a principal ideia quando o assunto são nossas sombras

Dia e noite. Sol e lua. Branco e preto. Inverno e verão. Luzes e sombras. Opostos. Complementares. Complementares! Essa é a principal ideia que precisamos ter em mente quando o assunto são as nossas sombras. Todo e qualquer objeto quando posto em direção à luz, automaticamente o que se forma é a sua sombra. E assim somos nós: compostos de aspectos positivos, que revelamos, que mostramos, que manifestamos; e aspectos que interpretamos como negativos, que escondemos, que mantemos obscuros, que renegamos. :: LEIA MAIS »

CIMI: Racismo institucional e repressão cultural: “Tão bonito que nem parece índio”

Protesto dos mais de 100 povos indígenas do Acampamento Terra Livre (ATL) 2018. Foto: Oliver Kornblihtt/MNI

Mais de seis mil índios moram em Brasília e arredores. Homens, mulheres e crianças que, devido ao preconceito, encontram vários obstáculos nas oportunidades de emprego, saúde, educação e qualidade de vida.

Mais de 896 mil pessoas se declararam indígenas no censo demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2010, inclusive 379.534 que vivem fora de terras demarcadas. Em 2015, uma pesquisa feita pela Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan) apontou que mais de seis mil índios moram em Brasília e arredores. Homens, mulheres e crianças que, devido ao preconceito, encontram vários obstáculos nas oportunidades de emprego, atendimento de saúde, educação, segurança e qualidade de vida. :: LEIA MAIS »



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia