WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia



dezembro 2018
D S T Q Q S S
« nov    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  


:: ‘Notícias’

Crescimento do garimpo ilegal atinge indígenas na Amazônia

“Várias doenças estão surgindo por conta da contaminação e de crimes ambientais feitos pelos garimpeiros”, denuncia Dário Vitório Kopenawa Yanomami, vice-presidente da Hutukara Associação Yanomami, de Roraima.

Relatório produzido pelas organizações Rede Amazônica de Informação Socioambiental Georreferenciada (RAISG) e InfoAmazônia alerta para 453 pontos de garimpo em terras demarcadas e protegidas

O garimpo no Brasil não é ilegal, e o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) regula as atividades de extração em determinados locais, contudo, a mineração em áreas protegidas e reservas indígenas é proibida. Mas de acordo com o mapa Amazônia Saqueada, realizado pela Rede Amazônica de Informação Socioambiental Georreferenciada (RAISG) e pela InfoAmazônia, a região pan-amazônica é explorada em mais de 2.312 pontos de 245 áreas no Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela, com extração de ouro, diamantes e coltan. :: LEIA MAIS »

BA: Representantes do Governo Estadual se reúnem com agentes da cadeia produtiva do cacau em Ilhéus

????????????????????????????????????
Representantes do governo estadual se reúnem com agentes da cadeia produtiva do cacau em Ilhéus

A Biofábrica de Cacau, em Ilhéus, Litoral Sul da Bahia, foi o local do encontro entre prefeitos, secretários municipais, agricultores familiares e produtores rurais com o titular da Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), Jerônimo Rodrigues. O objetivo da reunião foi traçar um plano de ação para a cadeia produtiva do cacau para os próximos quatro anos e realizar um balanço participativo do contrato de gestão que o governo do estado possui junto ao Instituto Biofábrica de Cacau. :: LEIA MAIS »

BA: SPM inaugurou CRAM em Santa Cruz Cabrália

A Secretária Julieta Palmeira e o Prefeito Agnelo Santos, descerra placa de inaugural do CRAM. Fotos: Edson Ruiz /SPM.

A Secretaria Estadual de Políticas para as Mulheres (SPM-BA) inaugurou, na sexta-feira (14), às 14h30, o Centro de Referência de Atendimento à Mulher (CRAM) de Santa Cruza Cabrália, o primeiro do país destinado ao atendimento prioritário de mulheres indígenas. O CRAM funcionará na sede da Secretaria Municipal de Ação Social, e sobre a coordenação da indígena Kandara Pataxó. O governo do Estado forneceu todos os equipamentos e carro, além de capacitação para os profissionais que atuarão na unidade. E a Prefeitura Municipal se responsabiliza pela manutenção do imóvel e custo com o pagamento de funcionários. A instalação do CRAM é fruto de Emenda Parlamentar, por meio de convênio federal firmado entre a SPM-BA e a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, que terá como coordenadora a indígena Kandara Pataxó. :: LEIA MAIS »

PA: Indígenas estão sem assistência um mês após saída de cubanos do Mais Médicos

Índios denunciam falta de atendimento desde que ‘Mais Médicos’ parou no Xingu. Foto: Divulgação

Médicos que foram selecionados para substituir os cubanos que atendiam comunidades indígenas do Xingu não se apresentaram para ocupar as vagas.

s médicos que foram selecionados para substituir os cubanos que atendiam comunidades indígenas do Xingu não se apresentaram para ocupar as vagas que ficaram em aberto. A ausência dos profissionais nas aldeias já está causando impactos à saúde dos povos do Xingu.

As cinco vagas disponibilizadas pelo Programa Mais Médicos para o Distrito Sanitário Especial Indígena, na região do Xingu, não foram preenchidas. Por conta disso, as aldeias estão sem a assistência básica.

As lideranças indígenas estão preocupadas com os impactos da falta dos médicos nas comunidades da região de Altamira. Os índios doentes terão que ir à cidade com mais frequencia para cidade buscar atendimento no SUS. Esse foi um dos assuntos discutidos durante uma reunião dos conselheiros de saúde indígena. :: LEIA MAIS »

Bolsonaro acentua conflito de interesses em terras indígenas

O movimento teve início após Bolsonaro sugerir que os índios usem as reservas para obter royalties de hidrelétricas e de outros projetos em encontro com indígena que não representa associação.

Em reportagem feita pelo jornalista Rubens Valente, e publicada na edição deste domingo (25) da Folha de S.Paulo, relata que um grupo de 40 empresas nacionais e estrangeiras já prepara proposta de projeto de lei a ser encaminhada ao presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), para tentar viabilizar projetos de exploração de áreas indígenas ou em seu entorno.

A ideia, segundo Gil Maranhão, diretor da francesa Engie, é que os índios afetados tenham direito a um percentual das receitas de novas hidrelétricas. O dinheiro faria parte de um fundo administrado pelos indígenas, pela Funai (Fundação Nacional do Índio) e por empresas gestoras de recursos. “O objetivo é que os índios se sintam parte do negócio e usem o dinheiro em áreas do seu interesse”, diz Maranhão. :: LEIA MAIS »

sketch-1542965709887

PT COBRA DE MINISTRO CONTRATAÇÕES DO MINHA CASA, MINHA VIDA

O deputado federal Afonso Florence, da Bahia, expõe as preocupações quanto à execução efetiva das contratações. Foto: Divulgação

Membros da Comissão de Desenvolvimento Urbano (CDU), os deputados federais Afonso Florence (PT-BA), João Daniel (PT-SE) e Margarida Salomão (PT-MG), em reunião com o Ministro das Cidades, Alexandre Baldy, lhes foi assegurado que será divulgado, ainda este ano, o resultado do processo de seleção das propostas para as novas contratações do Minha Casa, Minha Vida; o ministro informou que atualmente a Caixa, que atua como agente financeiro,faz análise técnica e jurídica da documentação, entregue pelas entidades organizadoras :: LEIA MAIS »

Indígenas divulgam documento da conferência local de Saúde Indígena em Humaitá, no Amazonas

Indígenas dos povos Tenharin, Jiahui, Miranhã, Juma, Mura, Pirahã, Uru Eu Wau Wau e Karitiana participaram da conferência local do Polo Base de Humaitá. Foto: Cimi regional Rondônia

Indígenas, entidades indigenistas e órgãos do governo que participaram da 6a Conferencia Local de Saúde Indígena do Polo Base de Humaitá, no Amazonas, divulgaram um documento com reivindicações e em defesa dos direitos indígenas. A Conferência ocorreu na Terra Indígena (TI) Tenharin Marmelos, no município de Humaitá (AM), entre 17 e 19 de novembro. :: LEIA MAIS »

Mandetta, que vai dirigir a Funasa como ministro, estava em ataque de fazendeiros que resultou na morte de um índio

Mandetta participava da reunião preparatória ao ataque aos caiovás

Escolhido para ministro da Saúde da gestão Bolsonaro, o deputado federal do DEM (MS) Luiz Henrique Mandetta foi apresentado aos brasileiros hoje como “ortopedista” e “pediatra”, com credenciais como médico brilhante com formação nos Estados Unidos – sem nenhuma menção que ele faz parte do núcleo duro dos parlamentares que detestam os indígenas.

No seu currículo na Wikipedia Mandetta expurgou sua participação numa volante de fazendeiros e jagunços contra os índios guarani-caiovás da reserva Marangatu, em 2015, que resultou na morte de um indígena, Simão Vilhalva. :: LEIA MAIS »

AM: Índio é baleado ao tentar impedir atuação de empresa de pesca em terra indígena

Terra Indígena Jurubaxi-Téa foi reconhecida como território tradicional indígena em setembro de 2017 — Foto: Camila Sobral Barra/ISA

Um índio da etnia Baré foi baleado, nesta sexta-feira (16), dentro de uma terra indígena localizada no município de Santa Isabel do Rio Negro, localizado a cerca de 630 km de Manaus. O caso aconteceu após um grupo de moradores da região confrontar integrantes de uma excursão de pesca esportiva por adentrar a área sem autorização. O disparo que atingiu o índio Arlindo Nogueira partiu de um policial do município. :: LEIA MAIS »



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia