WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

ponte pontal ilheus secom bahia

novembro 2020
D S T Q Q S S
« out    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  


:: ‘Notícias’

Olimpíadas Indígenas do Eware iniciam disputas em seis modalidades

Olímpiadas_Indígenas_do_Eware

Os jogos que acontecem na comunidade indígena de Belém do Solimões, no Amazonas. Seis modalidades foram disputadas.
A primeira foi a final de Coquita, cujo vencedor foi Enir Marcos Lourenço, indígena da etnia Ticuna, da comunidade Asacaia, que conseguiu converter 462 vezes a parte oca da fruta da Coquita. Na modalidade feminina, a vencedora foi Silvana da Silva Balbina, índia da mesma etnia, residente da comunidade Santo Domingo II.   A categoria Salto a Distância teve 31 competidores. Fredy, da comunidade de Filadélfia, ficou em primeiro lugar na modalidade masculina. Na segunda colocação ficou Ronaldino, Ticuna da comunidade Santa Clara.   Na modalidade feminina, Tatiana foi a vencedora. A Ticuna de Belém do Solimões saltou 4,20 metros. Em segundo lugar ficou Geovana, moradora da comunidade de Palmares. Na terceira colocação ficou Sandra, indígena da comunidade de Santo Domingo II.   Outra modalidade que já tem seus vencedores definidos é a de Baladeira. O campeão foi Bruno, da etnia Kokama.   Durante o evento aconteceram também os jogos de Handebol. O Futsal masculino e feminino ainda estão na fase classificatória.   No período da noite, a programação foi a premiação dos vencedores da primeira etapa da competição. Teve apresentação do grupo Bünecü, vencedor do Terceiro Festival de Música da Rádio Nacional do Alto Solimões. A festividade se encerrou às 21 horas.   Ainda devem ser realizados as competições de Arco e Flecha masculino, Zarabatana Masculino, 100 metros feminino eliminatória, Queda de Braço masculino, Racha Lenha, Duatlon, Canoagem, Cabo de Guerra e Maratona.

 

 

Piauí amplia atendimento à saúde indígena

dr-francisco2-300x250e

Depois de estudo realizado pela Secretaria de Estado da Saúde em municípios com registro da presença de povos indígenas no Piauí, o governador Wellington Dias autorizou a criação de um Distrito Sanitarista Especial do Índio (DSEI) no Estado. Para elaborar o projeto de implantação da DSEI-PI, o secretário Francisco Costa criou, na última sexta-feira (22), uma comissão formada por representantes das Secretarias de Saúde e Educação, Universidade Estadual do Piauí, Universidade Federal do Piauí, Fundação Nacional do Índio e lideranças indígenas. Segundo Epifânio Ferreira, supervisor da Equidade em Saúde e coordenador do estudo, a autorização para criação da DSEI-PI é um marco histórico para comunidade indígena, “já que se trata de uma antiga reivindicação dos índios residentes no Piauí e Maranhão que lutam para implantar a assistência ao índio na rede estadual de saúde levando em consideração as características excepcionais no atendimento dessa população”. O estudo que baseou o projeto de criação da DSEI-PI foi realizado nos municípios de Lagoa de São Francisco, Queimada Nova e Piripiri, onde residem 178 famílias que se identificam como índios. “A nossa insistência na instalação da DSEI-PI parte do fato de considerarmos a oferta dos serviços de saúde oferecidas no Piauí mais resolutivo e, também, por conta de sua localização geográfica mais próximo de Barra do Corda (MA)”, explica José Santos, líder indígena. Como forma de agradecimento, os líderes indígenas das tribos Tabajara (de Piripiri), Cariri (de Queimada Nova) e Guajajara (do Maranhão) homenagearam o governador e o secretário Francisco Costa durante o Seminário sobre Dengue, Zika e Chikungunya, entregando arco, flexa e cocar como agradecimento pela ampliação dos serviços e garantia de mais saúde a todos os povos. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que no Piauí existem 1.333 índios distribuídos nas cidades de Teresina, Lagoa de São Francisco, Queimada Nova, Piripiri, Pedro II, Piracuruca, Milton Brandão, Domingos Mourão, Parnaíba, Oeiras, Floriano, Picos, São Raimundo Nonato, Bom Jesus, São João do Piauí e Amarante.

 

Governo monta força-tarefa para fortalecer saúde indígena infantil

LSP_6437-580x387

O trabalho integrado resultará no fechamento de um plano de ação conjunta para trabalhar os indicadores de saúde indígena (Foto: Diego Gurgel/Secom)

O governador Tião Viana se reuniu na Casa Civil, na manhã desta segunda-feira, 25, com a coordenadora do Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) do Alto Rio Purus – órgão do Ministério da Saúde (MS) vinculado à Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) – Jiza Lopes, para tratar da formação de uma força-tarefa para fortalecer os atendimentos de saúde indígena infantil no estado.

A agenda contou com a participação da secretária-adjunta de Atenção à Saúde da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), Marize Lucena, do diretor da Assessoria Especial de Assuntos Indígenas, Marcelo Piedrafita, e da secretária de Estado de Comunicação, Andréa Zílio.

Índios prendem 24 funcionários da Sesai em Caarapó

3a9738e10d54bf272eea824082990916

Índios realizam manifesto

As lideranças indígenas fecharam a saída de funcionários do polo da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai). O caso aconteceu em Caarapó, na segunda-feira (25), por volta das 9h. Os índios exigem que o chefe da unidade local, Adalberto Araújo, saia.

O site Dourados News afirma que, aproximadamente 24 pessoas foram mantidas fechadas no local. Foram 30 pessoas em frente ao órgão carregando cartazes. Os índios pedem a saída do chefe, pois não estão satisfeitos com o atendimento das demandas.

De acordo com Marques e com Silvio Paulo, índio kaiowá, conselheiro distrital indígena que representa sete aldeias da região de Caarapó na entidade, relatam que as mazelas são muitas no atendimento prestado. Eles afirmam que não há viaturas suficientes, pois a maioria está quebrada, que muitos índios morrem e ficam sem atestado de óbito ou atendimento, porque não há veículo para ir até o local, e também reclamam do atendimento oferecido em unidades de saúde.

O polo de Caarapó da Sesai atende seis aldeias em Laguna, Caarapó e Juti. As comunidades indígenas, que moram nessas localidades, somam 6,2 mil pessoas. Na noite uma equipe da coordenação estadual do órgão veio até Caarapó e os funcionários foram liberados.

Presidente da Funai se reúne com associações indígenas de Roraima

reuniao funai

Reuniões ocorreram na sede da Funai em Boa Vista.
Associações levaram problemas como garimpo e falta de infraestrutura

O presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), João Pedro Gonçalves, se reuniu nesta quarta-feira (20) com representantes de associações indígenas de Roraima para tratar das demandas apresentadas pelas comunidades. O encontro foi realizado na sede da Funai em Boa Vista. :: LEIA MAIS »

Índios dizem temer ataques e denunciam água envenenada

640x480-c4ca43a42f48631cafc5cf878a59fd9e

Presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara esteve nesta quarta na aldeia Taquara em Juti e promete denunciar ameaças ao Ministério da Justiça

Índios guarani-kaiowá da aldeia Taquara, no município de Juti, a 320 km de Campo Grande, temem novos ataques ao acampamento montado na Fazenda Brasília do Sul, palco da morte do cacique Marcos Verón, em 2003, e que voltou a ser ocupada no dia 15. O temor foi manifestado por líderes do grupo ao presidente da CDDH (Comissão de Direitos Humanos) da Câmara Federal, deputado Paulo Pimenta (PT-RS), que esteve nesta quarta na aldeia Taquara.

:: LEIA MAIS »

Após reintegrações de posse, índios fazem protesto no sul da Bahia

19jan2016---policiais-federais-e-militares-destruiram-as-casas-dos-indios-pataxos-em-reintegracao-de-posse-1453330020510_615x300

Policiais federais e militares destruíram as casas dos índios pataxós em reintegração de posse na Bahia

Cerca de 100 índios pataxós realizaram um protesto nesta quarta-feira (20) no balneário de Cumuruxatiba, em Prado (extremo sul da Bahia), contra duas reintegrações de posse de áreas ocupadas por eles desde o ano passado, ocorridas na terça.

O protesto foi realizado em meio aos festejos de São Sebastião, padroeiro local e também reverenciado pelos índios. :: LEIA MAIS »

Reportagem da Veja que critica política indigenista não ofende índios, diz juíza

farra-antropologia-oportunistateoria3-4-728

 

O direito de crítica se insere no princípio constitucional da liberdade de imprensa, e apontar problemas nas políticas públicas e atividades de ONGs indigenistas não é o mesmo que ofender índios e quilombolas. Assim entendeu a juíza federal Sílvia Figueiredo Marques, 26ª Vara Cível de São Paulo, ao rejeitar ação movida contra a revista Veja por reportagem sobre processo de demarcação de reservas destinadas a grupos indígenas e quilombolas no estado de São Paulo.

O texto “A farra da antropologia oportunista”, publicado em 2010, diz que a criação de novas áreas de reserva é fruto do conchavo entre ativistas que sobreviveriam dos sucessos das demarcações, agentes públicos e antropólogos cujo trabalho não teria nenhum rigor científico, com viés ideológico de esquerda. Segundo a revista, esse esquema seria “uma verdadeira fauna de espertalhões”. :: LEIA MAIS »

Professores Indígenas convocados pelo governo do estado da Bahia

escola_indigena_700

A Secretaria de Educação do Estado da Bahia, através de edital, está convocando Professores Indígenas para contratação, depois dos resultados do Processo Seletivo que aconteceu entre os meses de maio e junho de 2015. A seleção pública para contratação temporária de pessoal na função de Professor Indígena aconteceu em caráter emergencial, pelo Regime Especial de Direito Administrativo. Os convocados deverão comparecer no prazo de 10 (dez) úteis, a partir da data desta publicação, nas sedes dos NRE (Núcleo Regional de Educação) a que pertence o município para o qual foram aprovados. Maiores informações, entrar em contato com a coordenação de educação indígena na secretaria de educação do estado.

Índios são expulsos da Terra em Comuruxatiba, com 72 Casas derrubadas

IMG-20160119-WA0021IMG-20160119-WA0019

Casas foram derrubadas logo após saída das 72 famílias

Uma ação de reintegração de posse de terra foi realizada com o apoio da Polícia Militar na manhã desta terça-feira (19), na Terra Comuruxatiba, que fica na cidade de Prado, no extremo-sul da Bahia.
Conforme informações da liderança indígena Ricardo Oliveira, da Aldeia Pataxós do Caí, os policiais solicitaram a saída de todos os índios e, após a retirada, as casas foram derrubadas.
“Foi uma saída pacífica. A gente entende que os policiais estão aqui executando a ordem de um juiz, mas estamos preocupados porque nossas coisas estão aqui no meio da rua e ninguém tem para onde ir. No total, temos 72 famílias aqui”, desabafou Ricardo.

Jandaia Oliveira, professora da aldeia, disse que há previsão de reintegração em mais 10 áreas indígenas ainda nesta terça-feira. “Estamos aguardando a Funai para saber para onde vão levar essas famílias que estão aqui. O procurador da Funai estava tentando com o Supremo Tribunal Federal para derrubar essas liminares que estão sendo cumpridas”, disse.

A Fundação Nacional dos Índios (Funai), ainda não emitido nota se posicionando com relação ao assunto. O procedimento foi executado pela Policia Federal com o apoio da Caema da cidade de Itamaraju.



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia