WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia




fevereiro 2019
D S T Q Q S S
« jan    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
2425262728  


Comissão de Direitos Humanos vai a velório de índio para ouvir reivindicações

velorio do indio

A Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, está na área de conflito em Caarapó na tarde desta quinta-feira (16). Os membros Paulo Pimenta (PT-RS) e Padre João (PT-MG), acompanhados do deputado federal Zeca do PT (PT-MS) seguiram para o local onde índios fazem o velório de Clodioldo Adileu Rodrigues de Souza, 20, vítima fatal do confronto.

Ao chegar à área de conflito, os membros da comissão não quiseram conceder entrevista à imprensa. Eles chegaram ao local pela área de tensão que está bloqueada por policiamento, e seguiram junto com os índios para o local do velório.

As informações obtidas pela reportagem no local são de que eles iriam receber durante o velório um relatório de lideranças sobre as reivindicações. O índio é velado e será enterrado próximo ao local do confronto, já que este fica perto da aldeia Tey Kuê.

O clima no local continua tenso. Dados preliminares apontam pelo menos cinco fazendas e oito sítios estão ocupados por índios. Eles reivindicam as terras alegando que são tradicionais indígenas e pedem demarcação. Já há um estudo antropológico sobre essa região.

O conflito na área teria começado na noite de domingo (12), quando um funcionário da Fazenda Ivu – que fica próxima a aldeia Tey Kuê – teria afirmado ao proprietário rural que foi ameaçado por um índio ao tentar chegar à propriedade. Na manhã de segunda-feira (13), o dono da fazenda foi à Polícia Civil para registrar a ocorrência relatando este caso.

Na manhã de terça-feira (14), a tensão tomou conta do local e houve confronto. Esse resultou em vários índios feridos e na morte de Clodioldo, que é agente de saúde e filho do vice capitão da aldeia Tey Kuê.

Força Nacional está na cidade de MS onde índio morreu em confronto

força-nacional

Policiais estão reunidos com MPF para decidir sobre ação em fazenda.

A Força Nacional de Segurança Pública está em Caarapó, a 264 quilômetros de Campo Grande, desde a noite dessa quarta-feira (15). Eles foram ao município a pedido do governo de Mato Grosso do Sul devido ao clima de tensão que está na região após confronto na fazenda Ivu, na terça-feira (14).

O confronto entre índios e fazendeiros resultou na morte, a tiros, do agente de saúde indígena Claudione Rodrigues Souza, de 26 anos. O corpo será velado no mesmo local do conflito. Outros seis índios, entre eles um de 12 anos, foram baleados. Três passaram por cirurgia e todos continuam internados, sem risco de morte e sem previsão de alta. :: LEIA MAIS »

OEA aprova declaração de direitos dos povos indígenas

OEA APROVA DIREITO INDIGENAS

A Organização de Estados Americanos (OEA) aprovou nesta quarta-feira uma declaração de direitos dos povos indígenas, cujo texto foi debatido durante 17 anos. Os 34 países-membros aprovaram a Declaração Americana sobre os Povos Indígenas durante as sessões da 46ª Assembleia Geral da entidade em Santo Domingo.

“É um momento histórico para os povos indígenas das Américas, pois é a primeira vez que a OEA reconhece um conjunto de direitos dos povos indígenas”, disse a jornalistas Adelfo Regino Montes, representante do povo mixe no México.

“Estão sendo implantadas as bases para que exista uma nova relação entre o Estado e os povos indígenas”, acrescentou. O documento reconhece a organização coletiva, o caráter pluricultural e multilíngue das sociedades, e se pronuncia sobre a auto-identificação das pessoas que se consideram indígenas. Também dá proteção especial aos povos em isolamento voluntário ou em contato inicial, um elemento que, segundo a OEA, o…. :: LEIA MAIS »

Ministério vai enviar Força Nacional para área de conflito indígena em MS

caarapo_6
Segundo a nota, o ministro está acompanhando a situação desde terça.
Conflito resultou na morte de um indígena e nove pessoas feridas.

O Ministério da Justiça e Cidadania autorizou, nesta quarta-feira (15), o envio da Força Nacional para a região de conflito entre indígenas e fazendeiros em Caarapó, no sudoeste de Mato Grosso do Sul.  O confronto teve um                índio morto, seis feridos e três policias machucados.
Segundo o prefeito de Caarapó, Mário Valério (PR), 50 homens da Força Nacional e 30 da Polícia Federal (PF) de Brasília serão enviados ao município. O ministério não confirmou quantos homens vão para a região.

Em nota, o ministério informou que a portaria definindo a atuação da Força Nacional deve ser publicada no Diário Oficial da União de quinta-feira (16).O pedido foi feito pelo governo do estado.

Conforme a assessoria, o ministro Alexandre de Moraes acompanhou com atenção o problema desde terça-feira e determinou a apuração dos fatos. A Força Nacional vai auxiliar as Polícias Militar, Federal e Rodoviária Federal.

Atualmente, a Força Nacional já atua no estado, na cidade de Ponta Porã, em apoio às ações de combate aos crimes fronteiriços. :: LEIA MAIS »

Guarani-kaiowá x ruralistas: o que provoca “guerra” que matou um índio no MS

indio-guarani-kaiowa-mostra-balas-encontradas-na-area-onde-ocorreu-o-conflito-entre-indiosi-e-ruralistas-no-interior-do-mato-grosso-do-sul-1466035644582_300x420indio-guarani-kaiowa-mostra-ferimento-de-bala-que-teria-sido-provocado-por-ruralistas-no-mato-grosso-do-sul-1466032162037_300x300

“É praticamente uma guerra. As estradas estão fechadas, carros da Polícia Militar queimados, fazendeiros rondando os índios.”

O relato do indígena Eliel Benites à BBC Brasil descreve a situação na manhã desta quarta-feira (13) na fazenda Ivu, a 20 km de Caarapó (MS), cenário de conflito entre ruralistas e indígenas que deixou um índio morto e ao menos seis feridos.

Índios guarani-kaiowá entraram na fazenda no último domingo – eles reivindicam a área como terra tradicional indígena.

Dois dias depois, cerca de 70 produtores rurais e funcionários cercaram o local e atacaram o acampamento montado pelos índios, que somava cerca de cem pessoas.

Em resposta ao que apontam como cobertura da Polícia Militar ao ataque, os índios dominaram uma equipe da PM que foi até o local após o confronto, incendiaram um carro, agrediram policiais e…. :: LEIA MAIS »

RR: operação desarticula rede de apoio a garimpo ilegal em terra indígena

concurso-policia-federal

Segundo as investigações, o homem era proprietário de uma fazenda no Projeto de Assentamento Paredão, no município de Alto Alegre, região norte do estado. Em um dos lotes, o proprietário construiu uma estrada para facilitar o acesso de garimpeiros às margens do Rio Uraricoera, rota fluvial para o garimpo na Terra Indígena Yanomami.

Ainda de acordo com a Polícia Federal havia cobrança de pedágio para utilizar a estrada, que variava de R$ 100,00 a 500,00. Foi construído um bloqueio com cancela na vicinal 6 do assentamento para forçar a passagem pelo pedágio ilegal. A Polícia Federal constatou ainda que a fazenda era utilizada para hospedagem, alimentação e depósito de materiais ilícitos de garimpeiros e outros envolvidos na prática. A Polícia permanece na fazenda em ação conjunta com o Exército.

“Conceito de mãe é amplo para indígenas”, diz antropólogo do Amazonas

Entre alguns povos, a figura materna pode ser estendida a outros parentes como tias. Entenda o processoindias mulheres

O conceito de mãe pode ser diferente entre indígenas e não indígenas. Foto: Divulgação/Agência Minas

MANAUS – A mãe é provavelmente a primeira pessoa que conhecemos. Primeiro porque somos gestados por elas e, depois, pela ligação que se estabelece através da educação. Entre praticamente todos os seres do reino animal é assim. O que muda é o conceito, como por exemplo, entre os povos indígenas e não indígenas. O Portal Amazônia conversou com um antropólogo para identificar as características e visão da mãe nos povos indígenas. :: LEIA MAIS »

UFSCAR publica edital de seleção para ingresso de estudantes indígenas

00003_portal_sao_carlos_norte

São 64 vagas, sendo uma por curso, nos quatro campi da universidade.

 A Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) publicou o  edital seleção para ingresso de estudantes indígenas em 2017 nos cursos de graduação presenciais.                                                                                                                                    Os candidatos têm até o dia 9 de setembro para enviar à instituição a documentação completa pelos Correios contendo a ficha de inscrição, a declaração de etnia e de vínculo com comunidade indígena e o questionário socioeducacional devidamente preenchidos.

As provas serão aplicadas em Cuiabá, Manaus, Recife e São Paulo. Ao todo são ofertadas 64 vagas, uma vaga para cada opção de curso de graduação, distribuídas entre os campi São Carlos, Araras, Sorocaba e Lagoa do Sino, em Buri. Outras vagas ainda poderão ser acrescentadas dentre as que não forem preenchidas ao final do processo seletivo para refugiados.

480 candidatos em 2016
Essa seleção específica é realizada pela universidade desde o ano de 2008. Em 2016 foram 480 candidatos inscritos para participar do processo seletivo, o que representou um crescimento muito expressivo em relação às seleções anteriores. No ano passado foram 237 candidatos com provas aplicadas somente na cidade de São Carlos.

As relações sobre documentação e a relação de cursos ofertados podem ser consultadas por meio do edital disponível no site da UFSCar.

CartaCapital diz que Jucá possibilitou genocídio indígena em Rondônia

juca                                    Os Akatsu, com Konibu ao fundo   

Enquanto era presidente da Funai, Romero Jucá entregou as terras dos índios Akuntsu a seus algozes, diz sertanista

Na última quinta-feira, 26 de maio, faleceu em Rondônia o indígena Konibu, o velho líder e xamã do povo Akuntsu. Sobrevivente de um genocídio, ele já estava bastante debilitado por um câncer e problemas cardíacos, e tinha em torno de 85 anos., Morreu em paz, deitado na rede dentro da maloca onde viva, auxiliado por agentes de saúde e pelo sertanista da Funai, Altair Algayer.

Se a morte foi tranquila, no entanto, Konibu sofreu muito em vida. E parte desse sofrimento se deve a um ato político deRomero Jucá enquanto era presidente da Funai: a destinação da terra onde os indígenas vivam para fazendeiros.
Os Akuntsu, seus vizinhos Kanoê e o “Índio do Buraco” são remanescentes de três povos que sofreram…. :: LEIA MAIS »

Indígenas do Sertão do Moxotó são capacitados pelo programa Boa Visão

Kambiwa

Indígenas de seis municípios do Sertão do Moxotó começam nesta segunda-feira a serem capacitados pelo programa Boa Visão. Eles serão responsáveis por realizar a triagem de acuidade visual em 52 escolas estaduais indígenas. A capacitação acontece na sede da Gerência Regional de Educação de Arcoverde.

Desde que foi lançado, em 2012, o programa já realizou mais de 78,9 mil consultas em estudantes e profissionais de escolas públicas estaduais. Durante a capacitação, que terá aulas teóricas e práticas, os profissionais serão apresentados ao Programa e conhecerão os pontos fundamentais da saúde ocular.

Após a triagem, caso seja necessário, os alunos diagnosticados com problemas de visão serão encaminhados para consultas com especialistas, que serão realizadas na Unidade Pernambucana de Atenção Especializada (UPAE) de Arcoverde. Caso os médicos avaliem que há a necessidade do uso dos óculos, os estudantes fazem a solicitação no mesmo dia da consulta e o Lafepe os entrega em um prazo de 60 dias.

Além da UPAE de Arcoverde, as unidades de Afogados da Ingazeira, Limoeiro, Belo Jardim e Serra Talhada, no Sertão do Estado, também já realizam as consultas do Projeto Boa Visão. Desde o início do Projeto, já foram entregues 44.888 óculos corretivos e 962 escolas estaduais foram beneficiadas.



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia