WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

secom bahia


maio 2019
D S T Q Q S S
« abr    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  


CIMI – MPF denuncia 12 por milícia privada contra indígenas no Mato Grosso do Sul

Enterro do agente de saúde indígena Clodiodi Aquileu Rodrigues de Souza, 23 anos, Reserva Te'ykue, Caarapó, MS
Enterro do agente de saúde indígena Clodiodi Aquileu Rodrigues de Souza, 23 anos, Reserva Te’ykue, Caarapó, MS –

O Ministério Público Federal (MPF) ajuizou, nesta sexta (17), duas denúncias contra doze envolvidos em crimes contra os povos Guarani Kaiowá e Ñandeva em Mato Grosso do Sul. Eles são acusados de formação de milícia privada, constrangimento ilegal, incêndio, sequestro e disparo de arma de fogo.

Os ataques foram cometidos contra indígenas do cone sul do estado, na região de fronteira com o Paraguai. Conforme apurou o MPF, jagunços teriam sido contratados e financiados por proprietários rurais para violentar e ameaçar as comunidades. Oitivas, diligências, fotos, vídeos, buscas e apreensões comprovam a atuação dos milicianos, mas o MPF não divulgou a íntegra das denúncias porque os processos correm sob sigilo. :: LEIA MAIS »

Sem presença da Funai, índios assumem proteção das terras

Cimi-Imagens-Luis-Carlos-Guajajara                                                                                      Guajajara assassinados (Foto: Luis Carlos Guajajara/Cimi)

por , | 17 de junho de 2016

Cansados de esperar por fiscalizações mais frequentes da Funai, do Ibama e da Polícia Federal, o povo Guajajara da terra indígena (TI) Arariboia, no Maranhão, resolveu reagir. “A gente resolveu formar uma comissão de lideranças e caciques. Essa comissão achou melhor que a gente tivesse os nossos próprios guardiões da terra, pra gente mesmo defender o nosso território”, conta Suluene Guajajara, uma das lideranças do povo. Esses guardiões Guajajara receberam das lideranças uma missão: percorrer todos os 413 mil hectares do território em busca dos invasores atraídos pelas riquezas naturais, sobretudo a madeira.

Ao protegerem a própria área, os indígenas buscam garantir seu direito de.. :: LEIA MAIS »

Renegociação da dívida pode ajudar na demarcação de terras indígena, diz Reinaldo

placa da funai

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) acredita que se a questão da dívida de Mato Grosso do Sul avançar e ocorrer recontratualização o Estado pode auxiliar a União a tirar do papel a demarcação das áreas indígenas.

“Se acontecer a recontratualização da dívida e da forma que vier, pode aumentar o fluxo financeiro até para o Estado poder ajudar nessa questão das demarcações. O governo Federal aporta uma parte e a gente aporta outra e tenta distensionar este conflito das regiões em Mato Grosso do Sul”, disse durante agenda pública na tarde desta sexta-feira (17).

Os governadores de todos os estados do Brasil devem se reunir na casa do chefe do Executivo de Brasília na próxima segunda-feira (21), justamente para levar um única proposta à…. :: LEIA MAIS »

BR-262 é liberada, mas índios afirmam que outros protestos podem acontecer

estrada interditada

O km 528 da BR-262 foi liberada às 12h após o interdição total do trecho durante todo o período da manhã.O protesto aconteceu devido à morte do índio Clodioudo Aguile Rodrigues dos Santos, de 26 anos.

De acordo com Elvis Terena, uma das lideranças indígenas, a vinda de um representante da ONU (Organizações das Naçoes Unidas) para Caarapó foi o que motivou a liberação da pista, porém não foi descartado outras manifestações. “Não temos como definir uma hora, data ou dia, tudo depende do que possa aocntecer com o nosso povo”.

De acordo com Elvis, há aproximadamente 600 indígenas de Miranda e Aquidauana solidários à situação. “ Estamos cansados da morosidade do governo e da omissão do estado sobre a questão da violência sobre os nosso povo”, diz.

 

Comunidade indígena de BH protesta em apoio aos índios no MS

Indignados com o massacre indígena que acontece nos últimos dias no Mato Grosso do Sul (MS), a comunidade indígena de Belo Horizonte organizou um protesto nesta sexta-feira (17) às 18h na praça Sete para demonstrar o repúdio às investidas de fazendeiros contra índios das etnias Guarani-kaiowá e Ñandeva naquela região.

Na última terça-feira (14), um grupo de dezenas de pistoleiros matou o indígena Clodioude Aguile Rodrigues dos Santos e deixou pelo menos seis índios gravemente feridos no Mato Grosso do Sul. Mas há relatos de mais mortes e feridos na região, inclusive uma criança, além do impedimento do Ministério Público Federal (MPF) de adentrar o território onde acontece os ataques.

O evento denominado “Vamos parar o Yakã-Ruguy (Rio de Sangue) Guarani-Kaiowá” foi organizado pelo Facebook e tem o apoio do Comitê Mineiro de Apoio à Causa Indígena, que também assina um documento de repúdio ao genocídio indígena no Brasil. Veja alguns trechos da carta: :: LEIA MAIS »

povos-indigenas-de-mato-grosso-criam-federacao-para-melhorar-articulacao

sede_administrativa_620_235

A reunião aconteceu na aldeia indígena umutina em Mato Grosso.

Com o objetivo de melhorar a articulação política de diálogo com o poder executivo e com organizações privadas e não governamentais, um grupo de 43 povos indígenas mato-grossenses criaram, este mês, durante a II Assembleia dos Povos Indígenas do Mato Grosso, a Federação dos Povos e Organizações Indígenas de Mato Grosso (FEPOIMT). O evento de lançamento aconteceu na Aldeia Umutina, na região de Barra do Bugres, Mato Grosso. Bemoro, do povo Kayapó, foi escolhido como presidente da Federação e…… :: LEIA MAIS »

Funai poderá opinar sobre projetos de créditos de carbono em terras indígenas

AREA INDIGENA VERDE

A Fundação Nacional do Índio (Funai) poderá ser obrigada a emitir parecer técnico sobre projetos para geração de crédito de carbono em terras indígenas, observando aspectos como consentimento da comunidade, equidade na repartição dos benefícios e respeito ao conhecimento tradicional dos povos indígenas, entre outros.

É o que estabelece o substitutivo de Jorge Viana (PT-AC) ao,PLC 203/2015 apresentado pelo ex-senador Vital do Rêgo (PMDB-PB). A proposta está na pauta da Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA) e pode ser votada na… :: LEIA MAIS »

Lideranças indígenas entregam reivindicações à Defensoria da União

FORÇA NACIONAL NA

DPU vai analisar documento para tomar medidas judiciais

Lideranças indígenas Guarani-Kaiowá entregaram à Defensoria Pública da União (DPU) lista de reivindicações por conta o impasse na demarcação de terras em Mato Grosso do Sul. Nesta semana, conflito entre fazendeiros e índios no município de Caraapó resultou na morte do agente de saúde Clodiodes Aguileu Rodrigues de Souza e deixou seis pessoas feridas.

O apoio da DPU na situação também foi solicitado para tentar intermediar a crise. O mesmo documento protocolado na defensoria ontem (16) foi levado ao Ministério Público Federal e à Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados.

O conflito foi motivado, principalmente, porque decreto assinado pela diretoria da Fundação Nacional do Índio (Funai) demarcou área de 55.590 hectares, hoje denominada de Amambaipeguá I. O documento foi….. :: LEIA MAIS »

Representante indígena será condutora da Tocha Olímpica em Rio Branco

india e toucha

Representar os povos indígenas e a juventude acreana durante a passagem da Tocha Olímpica em Rio Branco, no Acre. Esse será o desafio de Alana Manchineri, da terra Mamoadate, em Assis Brasil, distante 330 quilômetros da capital. Com atuação direta nos movimentos em prol da comunidade indígena, a estudante de Biologia da Universidade Federal do Acre (Ufac) conta que aprendeu desde criança como lutar por seus direitos. “Minha atuação vem desde pequena, pois meu pai foi liderança e minha mãe, militante na causa escolar indígena”, diz.

Alana conta que sua primeira participação na causa foi durante a Rio +20, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável. “Foi lá que comecei a perceber que poderia ajudar meu povo e meu estado. Ainda participei do Seminário da Juventude Indígena e de outros movimentos aqui no Acre”, ressalta.

Sobre a participação no revezamento da Chama Olímpica, Alana destaca: “Quando recebi o convite, pensei que essa será uma oportunidade de apresentar os indígenas de forma contemporânea, já que é um evento no qual o mundo todo está de olho. Mostrarei que os índios também podem ser condutores”.

A Tocha Olímpica passará em Rio Branco no dia 21 deste mês, e percorrerá 24 quilômetros da cidade. Ao todo, serão 120 pessoas que revezarão o símbolo dos Jogos Olímpicos Rio 2016. O trajeto se inicia no Mercado Rui Lino e termina na Gameleira, onde a Pira Olímpica será acesa.

Agência

 

Líder indígena pede inclusão de índios nos cursos da Unir em Rondônia

elinton_gaviao
Helinton Gavião diz que seu povo precisa de profissionais graduados.
Reitor falou sobre realizar um processo seletivo exclusivo para indígenas.

Em reunião com o Reitor Pro Tempore da Universidade Federal de Rondônia (Unir), professor Ari Miguel Teixeira Ott, o coordenador dos Povos Indígenas de Rondônia, Helinton Gavião, cobrou na última quarta-feira (15) a possibilidade de indígenas poder frequentar os cursos superiores oferecidos pela universidade, além da Educação Intercultural, que já recebe indígenas.

Helinton Gavião justificou o pedido dizendo que seu povo precisa de profissionais graduados, que possam atender a área da saúde e de gestão territorial, por exemplo. Em resposta, segundo nota da Unir, o Reitor falou sobre a possibilidade de realizar um processo seletivo exclusivo para selecionar estudantes indígenas, utilizando por bases a Lei Federal nº 12.711, de 29/08/2012 – conhecida como Lei de Cotas.

Como encaminhamento, ficou decidido que a Reitoria da Unir vai agendar reunião com representantes de organizações governamentais e não governamentais para o dia 6 de julho, com a finalidade de discutir a criação de políticas de inclusão e permanência dos povos indígenas das diversas etnias do estado de Rondônia na universidade.



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia