WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

embasa secom bahia
maio 2021
D S T Q Q S S
« abr    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  


:: ‘_destaque1’

Pataxó Hãhãhãe: Jogos Estudantis Indígenas foram realizados na aldeia

Assista (CLICANDO AQUI) a uma matéria completa na TV Santa Cruz

Os Jogos Estudantis Indígenas do Povo Pataxó Hãhãhãe aconteceram entre os dias 1 e 2 de maio, na Aldeia Catarina Paraguaçu, para comemorar os 9 anos de conquista territorial dos Pataxó Hãhãhãe do município de Pau Brasil e região.

:: LEIA MAIS »

PIRIPKURAS: OS ÚLTIMOS, ISOLADOS

tamandua-e-baita-sao-os-dois-ultimo-piripkura-isolados-na-ti-piripkura-1605142144957_v2_1920x1080

Símbolo de resistência, Piripkuras caminham para a extinção com dois últimos indígenas ocupando terra ameaçada

*MARCOS CANDIDO

A chuva cai uma vez ao ano na terra dos Piripkura. A seca entre maio e setembro é precedida pelas chuvas de outubro a março, que chegam em uma média de até 2.400 milímetros ao ano. Mas os Piripkura não dominam e nunca dominaram os números, as métricas. Sabem que os igarapés enchem d’água na chuva e é mais difícil pescar assim. O cacau e as castanhas são os principais alimentos o ano todo, mas na seca peixes como o cará, a traíra, são mais facilmente fisgados e abundantes nos igarapés. Também é mais simples caçar para comer, como espetar jacarés com lanças. :: LEIA MAIS »

Indígenas recorrem à medicina tradicional no tratamento contra a covid-19

O pajé Diakara Desano, da etnia desano, segura folhas que usará para fazer chá e tratar os doentes de sua comunidade, na periferia de Manaus (AM). Com a memória viva de outras epidemias, Diakara reivindica a valorização da sabedoria indígena. Foto de Christian Braga

Desassistidas pelo sistema de saúde, comunidades indígenas incorporam elementos de suas próprias culturas – como chás e benzimentos oferecidos por pajés – às técnicas médicas convencionais.

Por Gabi Di Bella. Fotos de Christian Braga

“Vou usar o benzimento tradicional e, desse jeito, vai curar mais rápido. Dito e feito, acertei”, é com essa resiliência que o pajé Ercolino de Jorge Araújo Alves, da etnia desana, explica como decidiu encarar a pandemia da covid-19 em sua comunidade, em São Gabriel da Cachoeira, no extremo noroeste do Amazonas. O pajé diz que recebe os ensinamentos de seu avô desde os 14 anos e que o ancião “aparece nos meus sonhos me dizendo o que fazer.”

:: LEIA MAIS »

Ação Bahia: Combate e prevenção ao coronavírus para povos e comunidades tradicionais

Essa semana o programa Ação Bahia – Povos Tradicionais, da TVI de Itabuna, teve como foco principal a pandemia do Covid-19. Através de vídeos gravados pelos participantes. Magnólia Gouveia que comanda o programa, exibiu depoimentos, informações e ações de prevenção ao coronavírus nas comunidades tradicionais do estado. Nesta edição o programa contou com a participação de lideranças dos povos tradicionais, dentre elas os caciques Juvenal Payayá, Valdelice Amaral Tupinambá, Zeca Pataxó, o médico Indígena Vazigton Guedes, a liderança Quilombola José Ramos, o cantor Calinhos Brown, além do deputado estadual Marcelino Galo, e do deputado federal Afonso Florence. Confira clicando no vídeo acima.

Índios retiram garimpeiros Raposa/Serra do Sol

Ação de retirada pacifica foi realizada por comunidades indígenas. Foto: Divulgação/Ascom CIR

Devido à contaminação de rios, lagos e igarapés pela prática ilegal de garimpo que se instalou no rio Cotingo, próximo ao igarapé Samaúma, lideranças realizaram  dia 01 de abril a retirada de garimpeiros e apreenderam todo material utilizado na atividade ilegal.

:: LEIA MAIS »

TECNOLOGIA: Mapa mostra o avanço da Covid-19 em Terras Indígenas brasileiras

Plataforma online mostra os avanços do novo coronavírus em territórios indígenas (Foto: Reprodução)

Após o primeiro caso de infecção confirmado entre indígenas, a plataforma foi lançada para monitorar a situação de aldeias e pedir por políticas públicas de proteção

A pandemia do novo coronavírus já atingiu países do mundo todo, inclusive o Brasil. No entanto, nosso país apresenta grandes desafios para conter a doença, sobretudo entre povos indígenas, que sofrem com situação de vulnerabilidade social e econômica, além de dificuldade logística de comunicação e acesso aos territórios.

Na última quinta-feira (2), foi confirmada a primeira morte de uma indígena em decorrência da Covid-19, uma senhora de 87 anos, da etnia Borari, morreu em Alter do Chão (PA). Além dela, uma jovem de 20 anos da etnia Kokama já testou positivo para a infecção e está em isolamento em Santo Antônia do Içá (AM).

*Revista Galileu

AM: Indígena de 20 anos testa positivo para coronavírus, em aldeias e entram em isolamento

Uma índia de 20 anos, agente de saúde indígena no interior do Amazonas, testou positivo para o novo coronavírus. A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas confirma o caso. A jovem da etnia Kokama está entre os quatro contaminados no município de Santo Antônio do Içá, no Alto Rio Solimões. Por isso, duas aldeias inteiras foram isoladas. Na manhã desta quarta-feira (1°), com a confirmação dos três novos casos, o estado chega a 178 contaminados.

:: LEIA MAIS »

Deputados apresentam plano para proteger povos indígenas do covid-19

Korubo_CGIIRC_FUNAI-1

O primeiro caso de indígena com coronavírus foi registrado nesta quarta-feira (01), em Santo Antônio do Içá (AM). A indígena de 19 anos é da etnia Kokama e mora na aldeia São José, há 250 quilômetros da fronteira com a Colômbia. As informações foram publicadas pela imprensa. O país vizinho registrou os dois primeiros casos de covid-19 entre indígenas ontem (31).

Em coletiva de imprensa nesta quarta (1), o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou que essa é uma grande preocupação para a pasta. “A história de relação dos indígenas com os vírus e patógenos dos não-indígenas, dos caucasianos, dos europeus, enfim, sempre foram histórias em que os indígenas têm uma resposta muito diferente e podem ter curva maior em relação a letalidade e morbidade dessa doença”, disse Mandetta. :: LEIA MAIS »

VÍDEO: Prevenção e Papel do AIS e AISAN na Pandemia

Educação: Estado abre 10 mil vagas para monitores do programa Mais Estudo

Com o programa, alunos poderão ajudar os colegas que precisam de mais estudo. Foto: Secom/GOV-BA.

A Secretaria da Educação do Estado da Bahia divulgou, no Diário Oficial, desta quinta-feira (20), o edital para mais 10 mil vagas do Programa Mais Estudo. O programa contemplará com uma bolsa de R$ 200, por mês, de março a maio, estudantes do 9º ano do Ensino Fundamental e da 1ª a 4ª séries do Ensino Médio, para que possam dar monitoria em Língua Portuguesa e Matemática aos colegas, contribuindo para o processo de ensino e aprendizagem. O investimento é de R$ 6 milhões nesta primeira etapa do programa para o ano letivo de 2020.

:: LEIA MAIS »



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia