WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

secom bahia


fevereiro 2020
D S T Q Q S S
« jan    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829


Um em cada quatro indígenas latino-americanos vive na pobreza, diz Banco Mundial

rio-mais-20-20120621-06-original

Das pessoas em situação de pobreza extrema na América Latina, os indígenas são nada menos que 17% – embora representem apenas 8% da população total

Um em cada quatro indígenas latino-americanos ainda vive na pobreza, apesar dos enormes progressos na região na última década em matéria de desenvolvimento e combate à pobreza, segundo estudo do Banco Mundial.

No relatório América Latina Indígena no século XXI, a entidade ressaltou que os indígenas representam cerca de 8% da população total, mas são 14% dos cidadãos que vivem na pobreza. Das pessoas em situação de pobreza extrema, os indígenas são nada menos que 17%.

“Pela primeira vez na história da América Latina, há mais pessoas vivendo na classe média do que na pobreza”, mas “os povos indígenas não se beneficiaram na mesma proporção que o resto da população. Essa situação é inaceitável”, disse Jorge Familiar, vice-presidente do Banco Mundial para a região.

Ailton Krenak, professor Honoris Causa em sabedoria indígena

ailton-krenak

Na próxima quarta-feira, Ailton Krenak receberá o título de professor Honoris Causa, pela Universidade Federal de Juiz de Fora, em Minas Gerais. Ailton Krenak, que é jornalista, ambientalista e escritor para além de ser considerado uma das mais importantes lideranças indígenas da atualidade. Vem trabalhando em parceria com a UFJF desde 2014 no Curso de Especialização “Cultura e História dos Povos Indígenas”, na disciplina de “Artes e ofícios dos saberes tradicionais” e agora receberá este merecido reconhecimento oficial.

No blog Ailton Krenak pode-se lembrar alguns dos mais importantes trechos da trajetória deste personagem da moderna história do nosso país. Lutador aguerrido da causa dos direitos indígenas e da defesa do meio ambiente: “Ailton Krenak é um dos mais destacados intelectuais do Brasil, principalmente no que se refere ao sentido pós-colonial das formas de pensar o mundo. Foi a liderança central na luta indígena dos anos 1980 que culminou com a garantia de direitos fundamentais estabelecidos na Constituição Federal de 1988 – momento em que pronunciou um discurso histórico na tribuna do Congresso Nacional e pintou seu rosto com tintura de jenipapo simbolizando a força de lutar do povo indígena”.

Copa Indígena de Futebol retoma rodada

Futebol,%20no%20Abril%20Cultural%20Indígena_%20Em%2019_04_2013_%20Foto%20-%20Divulgação-Seind

A 2ª rodada da Copa de Futebol Indígena da Integração, que começou dia 13, com participantes de aldeias de Sidrolândia e Dois Irmãos do Buriti, segue, no próximo final de semana com seis partidas. Até agora, a disputa com 12 equipes já rendeu 34 gols

O campeonato está previsto para se encerrar dia 19 de abril, quando é celebrado o dia do índio. A competição envolve 300 pessoas, entre jogadores e comissão técnica.

Primeira rodada

A abertura da Copa de futebol Indígena da Integração foi marcada por goleadas. No sábado (13), a equipes do Ceinter venceu o time Família Sol, por 6×1. No domingo a equipe da Aldeia Lagoinha mandou 9 a 0 em cima do time Veteranos.

Uma das partidas terminou em WO, pois o time da Aldeia Tereré não foi ao jogo contra o Nova Tereré.

Com 34 gols, em seis jogos, a média foi de 5,6 gols. Os jogos da próxima rodada acontecem no Complexo Esportivo da Aldeia Tereré

 

Papa fez um reconhecimento epocal da pastoral indígena

EPA1976607_Articolo

Cidade do México (RV) – “As palavras do Papa dirigidas às comunidades indígena do Chiapas assumem um significado epocal”, afirmou o responsável pelo Escritório para a Pastoral dos Migrantes da Diocese de Milão, Padre Alberto Vitali. O sacerdote é autor do livro “O bispo do Chiapas. Bispo de Samuel Ruiz dito Tatic”, editado pela EMI. :: LEIA MAIS »

Cientistas se preocupam com ameaça à astronomia indígena na Amazônia

images                                                                                                                                     Devido à dificuldade de repassar o conhecimento aos demais, esse saber corre o risco de se perder no país

MANAUS – Ao longo de séculos, povos indígenas de todo mundo construíram um grande legado sobre o céu. Utilizado como base para rituais religiosos, políticos, agrícolas e de fertilidades, populações nativas criaram seu próprio campo de estudo astronômico. Contudo, devido à dificuldade de repassar o conhecimento aos demais, esse saber corre o risco de se perder no Brasil. É o que alerta o professor, astrônomo e físico Germano Afonso, especializado em etnoastronomia.

Ele destacou como uma das causas à diminuição do interesse das novas gerações indígenas em relação ao conhecimento que os mais antigos mantém sobre o céu. “O índio é muito interessado pelo céu, afinal, eles olham para cima e veem a Terra como parte do reflexo do cosmos”, explica. :: LEIA MAIS »

Protesto de índios mantém sede do Dsei-Leste ocupada, em Roraima

.dsc_1611

Índios de pelo menos 10 etinias mantêm ocupado, nesta terça-feira (16), o prédio do Distrito Especial de Saúde Indígena do Leste de Roraima (Dsei-Leste), em Boa Vista. O ato é para cobrar a exoneração do gestor da pasta, Joseilson Câmara.

Conforme um dos manifestantes, a decisão de ocupar o prédio é de pelo menos 45 mil índios de 11 regiões de Roraima. O gestor foi nomeado em dezembro de 2015 por indicação de um senador e um deputado federal do estado, segundo o manifestante. Esta é a segunda vez que o prédio é ocupado pelos indígenas.

“Não aceitamos indicação política sem que as lideranças indígenas sejam consultadas. A nossa revolta maior é que indicaram sem consultar a gente. Para eu entrar na casa de alguém, eu tenho que pedir licença. Se a pessoa autoriza, eu posso entrar, mas se não, eu não entro”, afirmou acrescentando que pelo menos 500 índios estão dentro do prédio na zona Leste da capital. :: LEIA MAIS »

Crime: Movimentos lamentam assassinato de ativista antimanicomial e pelos direitos indígenas

image_preview

Ex-sindicalista e professor aposentado da UFBA, o psicólogo Marcus Vinicius Matraga foi levado de sua casa por dois homens armados até uma estrada, onde foi morto com tiro na cabeça

O Sindicato dos Psicólogos de São Paulo (Sinpsi) e o Conselho Federal de Psicologia (CFP) lamentaram hoje (5) o assassinato do psicólogo e militante em defesa da reforma psiquiátrica e dos direitos dos indígenas Marcus Vinicius de Oliveira, mais conhecido como Marcus Matraga. Seu corpo foi encontrado pela manhã, com um tiro na cabeça, no povoado de Pirajuía, em Jaguaripe (BA).

De acordo com informações do Correio da Bahia, Marcus Matraga foi sequestrado por dois homens armados em sua casa e levado até uma estrada, onde foi morto. A polícia do município investiga o crime e a hipótese de emboscada.

:: LEIA MAIS »

Primeiro dia do Carnaval Tradição tem desfile das tribos indígenas

tribos2-300x218

O Carnaval Tradição de João Pessoa começa neste sábado (6) trazendo para a Avenida Beira Rio, no bairro da Torre, uma das mais tradicionais manifestações carnavalescas da cidade: as tribos indígenas. Este ano, o desfile completa 101 anos de existência e é patrocinado pela Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), através da sua Fundação Cultural (Funjope). :: LEIA MAIS »

Jovem indígena de MS é aprovada para medicina em duas universidades federais

vestiba

Indígena é filha de uma professora e diz que teve apoio da família

Filha de uma professora e moradora da aldeia Tey Kuê em Caarapó, a 264 km de Campo Grande, a jovem indígena de Mato Grosso do Sul, Dara Ramires Lemes, 19 anos, foi aprovada para o curso de medicina em duas universidades federais do país. A estudante da etnia guarani ficou em primeiro lugar no vestibular da Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR) e da Universidade Federal de Santa Maria (UFMR). :: LEIA MAIS »

Delegado e comandante são ouvidos pela CPI que apura violência contra indígenas em MS

robervaljpg

Durante as oitivas, o delegado Roberval Rodrigues e o coronel Deusdete Souza trouxeram informações e entregaram documentos que servirão de base para as investigações da comissão.

O deputado João Grandão, presidente da CPI que investiga a ação/omissão do estado do Mato Grosso do Sul nos casos de violência praticados contra os povos indígenas entre 2000 e 2015, classificou como positiva a reunião desta quinta-feira, 4, e as oitivas com o delegado geral da Polícia Civil, Roberval Maurício Cardoso Rodrigues, e com o comandante da Polícia Militar do Mato Grosso do Sul, coronel Deusdete Souza de Oliveira Filho. :: LEIA MAIS »



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia